Menu
SADER_FULL
quarta, 1 de dezembro de 2021
Busca
Brasil

Mulheres são maioria no Poder Judiciário de MS

11 Mar 2010 - 17h47Por TJMS

Na última segunda-feira (8) comemorou-se o Dia Internacional da Mulher. Durante a semana, muitos ainda celebram a data e ressaltam as conquistas femininas, tendo em vista a expansão de oportunidades. Nesse momento de reflexão, nota-se que o estereótipo de mulher responsável pelos afazeres domésticos continua, embora esteja surgindo um novo olhar sobre o papel da mulher na sociedade.

E uma das maiores conquistas talvez esteja no mercado de trabalho. Exemplo disso pode ser notado no Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul, em que, num universo de mais de 3.300 servidores, a maioria da força de trabalho é formada por mulheres. São 1.704 servidoras nas comarcas e 493 na secretaria do Tribunal de Justiça.

A maioria entrou nos últimos 5 anos - apenas 1,7% entrou em 1980. De 1981-1985, o quadro feminino aumentou em 9,1%; de 1986-1990 houve acréscimo de 18,2% mulheres; de 1991-1995 mais 6,6%; de 1996-2000 somaram mais 6,8%; de 2001-2005, mais 24,1% e, de 2006-2010 mais 33,5% mulheres passaram a fazer parte do quadro funcional da justiça de MS.

Apesar de dispender tantas horas diárias para mostrar sua capacidade no trabalho, a mulher continua sendo mãe. Do total de mulheres do Poder Judiciário, 989 não possuem filhos; 415 têm apenas um filho; 576 são mães de dois filhos; 185 servidoras têm três filhos; 24 têm quatro filhos; quatro servidoras possuem cinco filhos e apenas uma elevou o número de filhos para seis.

Trabalhar, cuidar das tarefas domésticas, responsabilizar-se pela educação dos filhos. Com tantas tarefas, a mulher ainda deseja mais: destacar-se por sua qualificação profissional e encontrar tempo para estudar. Entre as servidoras da justiça sul-mato-grossense é possível encontrar apenas oito com o primário completo, 13 com primeiro grau incompleto, 28 com primeiro grau completo.

Quanto maior o tempo passado nos bancos escolares, maior o número de servidoras: 53 apresentam o 2º grau incompleto contra 539 com 2º grau completo. E mais: 305 começaram a cursar faculdade e não terminaram e 1.086 possuem o superior completo. Não satisfeitas, quatro são pós-graduandas, 115 são especialistas; uma é mestranda e, em pouco tempo, fará parte das cinco que já completaram o mestrado. E somente uma possui doutorado.

Esses números mostram que mais da metade (55%) das mulheres possuem graduação completa. O curso de Direito representa 39% do total (484), seguido por Letras (97), Administração (91), Serviço Social (71), Pedagogia (63), Ciências Contábeis (46), Psicologia (38), Licenciatura em Letras (25), Pedagogia (17) e Ciências Econômicas (16).

Uma curiosidade: no Poder Judiciário de MS trabalha apenas uma mulher de nacionalidade síria – as demais são brasileiras. Há quem não acredite que a mulher possa desenvolver tantas atividades e ainda ter tempo para a família. Os dados mostram que essa visão está equivocada, pois 958 são casadas e 900 solteiras. Há 125 divorciadas, 124 separadas, 20 viúvas e 37 em outros estados civis.

Do total de servidoras, 65% são de MS, o que significa dizer que 1.417 nasceram no Estado. Do restante, duas são de AL, sete da BA, oito do CE, nove do DF, cinco do ES, 19 nasceram em GO, uma no MA, 37 em MG, 31 são de MT, duas do PA, duas da PB, sete vieram do PE, uma do PI, 165 são do PR, 30 do RJ, duas do RN, cinco de RO, 77 de RS, 20 vieram de SC, uma de SE e 349 de SP.

A média de idade das mulheres que trabalham no PJMS é de 39 anos. Em números detalhados temos: 82 com até 20 anos; 496 na faixa entre 21 e 30 anos; 573 mulheres tem de 31 a 40 anos; 739 estão entre 41 a 50 anos; 282 já passaram dos 50 e se enquadram entre 51 a 60 anos e apenas 25 estão acima dos 60. Em porcentagem, contabilizados os números, descobre-se que 34% das mulheres estão na maior faixa, que é a dos 41 aos 50 anos.

Com tantos dados não há como negar que a força de trabalho da mulher vem sendo mais valorizada e uma das inegáveis características femininas é a dedicação. A mulher é mais dedicada no trabalho, mais minuciosa, mais abnegada. Ela se desdobra para vencer todos os desafios e recomeça tudo no dia seguinte.

Ela está disposta a vencer a desigualdade de gêneros e não se conforma em ganhar menos pelo mesmo trabalho masculino. A mulher aprendeu a reclamar e não se deixa mais subjugar – basta ver o número de mulheres que não se permitem mais sofrer maus tratos e apelam para a Lei Maria da Penha.

A juíza Maria Isabel de Matos Rocha, titular da 3ª Vara da Fazenda Pública de Campo Grande, tem 25 anos de atuação no judiciário e reconhece que muito se conquistou nesse período de mais de duas décadas. “Basta ver que hoje a mulher tem 180 dias de licença-maternidade”, citou ela.

Para a juíza auxiliar da presidência do TJMS, Elizabete Anache, não cabe discriminação na carreira da magistratura. “Ao contrário, a mulher enfrenta qualquer trabalho. Ela não se intimida se precisa fazer uma inspeção judicial, se houver necessidade de visitar presídios. Ainda existe discriminação no mercado de trabalho privado, já que culturalmente a mulher assume mais responsabilidades domésticas, porque a sociedade cobra mais dela. Acredito que a igualdade é uma tendência e essa visão deve acabar”, opinou a juíza.

Leia Também

AÇÕES DO GOVERNO MS
Com estados da região Sul, Azambuja quer integração ferroviária e união para redução de carbono
PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança
TRAGÉDIA NA LINHA DO TREM
vítima comemorou aniversário do marido um dia antes de morrer com a filha em acidente com trem
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid-19: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos em 24 horas
DESESPERO
Vídeo: veja momento em que calçada cede e pessoas caem em rio
PÂNICO NO AEROPORTO
Vídeo mostra passageiros gritando e muito desespero em avião da Azul; veja
EMBOSCADA
Jovem morre após ser atingida por tiro na cabeça
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid -19 casos sobem para 22,043 milhões e mortes, para 613,3 mil
ESTUPRO DE VUNERALVEL
Menina de 11 anos conta para avô que é estuprada pelo padrasto