Menu
SADER_FULL
sábado, 8 de maio de 2021
Busca
Brasil

Mulheres ganham apenas 60% do salário dos homens no Brasil

13 Out 2010 - 07h28Por Folha Online

O Brasil caiu quatro posições no ranking de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Relatório do Fórum Econômico Mundial mostra que o país ocupa a 85ª posição, entre 134 países. No ano passado, ocupava a 81ª. No ranking geral, o país perde para países como África do Sul (12ª posição), Cuba (24ª) ou Romênia (67ª).

O estudo mostra as diferenças entre a população masculina e a feminina em diversos aspectos socioeconômicos, como salários, nível educacional, representatividade política e expectativa de vida. A renda estimada das mulheres equivale a apenas 60% da dos homens (US$ 7.190 contra US$ 12.006).

As quatro primeiras posições da lista -representam maior igualdade entre os sexos- são ocupadas por países nórdicos: Islândia, Noruega, Finlândia e Suécia, respectivamente.

“Pequenas diferenças entre os sexos estão ligadas à alta competitividade econômica”, disse Klaus Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial.

O estudo deste ano é o quinto realizado, e os dados mostram evolução. “Dos países acompanhados nesse tempo, 86% reduziram suas diferenças entre homens e mulheres”, disse Saadia Zahidi, coautor do relatório.

PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

A pesquisa do Fórum Econômico Mundial leva em conta quatro fatores: o acesso das mulheres a oportunidades econômicas, educação, taxas de mortalidade e participação política. No caso do Brasil, o levantamento mostra que o país precisa melhorar nos dois primeiros itens, está muito bem no terceiro mas está numa posição bastante ruim no último, o que, justamente, tem maiores chances de sofrer mudanças drásticas no curtíssimo prazo.

Segundo o levantamento do Fórum, o país estaria no topo do ranking somente considerando a igualdade entre os gêneros no acesso aos serviços de saúde. A posição do país piora sensivelmente quando se fala do acesso das mulheres à educação (63ª posição, no ranking específico para esse item) e nas oportunidades econômicas (66ª posição), sempre considerando a condição dos homens no tocante aos mesmos aspectos.

Mas é no acesso das mulheres às posições de poder político que a pesquisa detecta as maiores fraquezas do Brasil, que nesse quesito ocupa a 112ª posição entre os países.

De acordo com os responsáveis pelo levantamento, o país caiu no ranking geral por conta de “pequenos decréscimos” nos níveis de acesso à educação e de poder político. “Contudo, no tempo em que esse Informe vai para a impressão, o Brasil está sob perspectiva de eleger sua primeira presidente mulher” (em tradução livre), reconhecem os pesquisadores, no relatório.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo