Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Mulher de Bruno depõe, dá nova versão e muda investigações

19 Jul 2010 - 12h17Por Terra

A mulher do goleiro Bruno, Dayanne Rodrigues, depôs na manhã de sexta-feira, em Belo Horizonte, e, ao contrário das outras vezes em que a polícia tentou ouvi-la, resolveu contar o que sabe. A nova versão tem semelhanças com os relatos dos primos de Bruno, Sérgio Rosa Salles e o menor J., 17 anos. O depoimento traz nova data para a investigação: ela diz que viu Eliza no sítio em 10 de junho. A polícia passa, então, a investigar se o crime pode ter sido neste dia, e não na véspera, como acreditava até então.

Dayanne chorou bastante e desmentiu informações que dera na primeira vez. Na ocasião, ela mentira ao dizer que não se encontrou com a vítima e que chegara ao sítio dia 23. A jovem, enfim, admitiu ter encontrado a ex-amante de Bruno e disse que esse contato foi intermediado pelo atleta.

O novo depoimento foi acompanhado pelo promotor Gustavo Fantini. O primeiro encontro entre Eliza e Dayanne teria ocorrido dia 7, no sítio, quando a ex-amante do goleiro já estava machucada. A conversa seria sobre a compra de um apartamento para Eliza. Dayanne disse à polícia que voltou ao sítio dia 10 e que de novo encontrou a ex-amante. Dayanne estranhou a presença dela e Bruno teria passado a dizer que temia que Eliza o denunciasse por sequestro.

Primo isenta Dayanne do sumiço
Primo de Bruno, Sérgio Rosa Salles isenta Dayanne de participação ou conhecimento do crime. A mulher de Bruno, as filhas e a babá estavam na casa quando Macarrão saiu com Eliza, mas, assim como Sérgio, ela acreditava que a jovem e o bebê iriam para um novo apartamento em Belo Horizonte. No relato, Sérgio diz ter presenciado uma discussão de Bruno com Macarrão: "Você nunca mais vai me chamar de bundão. Depois dessa noite e você sabe por quê", teria dito Macarrão, que fez ameaças a Sérgio.

Segundo Dayanne, na noite do dia 10, Eliza teria sido levada do sítio. As investigações mostram que o encontro com o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Neném ou Bola, aconteceu na Pampulha. Dali, seguiram para Vespasiano.

O livro de registro do sítio em Esmeraldas mostra que Macarrão e J. chegaram à casa de Bruno às 22h20 do dia 10, saindo uma hora depois em Palio prata. Bruno chega com o New Beetle praticamente no mesmo horário, às 22h15, mas sai 20 minutos depois. Neste período, a mala de Eliza teria sido queimada. O grupo se encontra em Ribeirão das Neves e parte para o Rio com o time 100% F.C, por volta das 23h.

O caso
Eliza desapareceu no dia 4 de junho, quando teria saído do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno. No ano passado, a estudante paranaense já havia procurado a polícia para dizer que estava grávida do goleiro e que ele a agrediu para que ela tomasse remédios abortivos. Após o nascimento da criança, Eliza acionou a Justiça para pedir o reconhecimento da paternidade de Bruno.

No dia 24 de junho, a polícia recebeu denúncias anônimas dizendo que Eliza havia sido espancada por Bruno e dois amigos dele até a morte no sítio de propriedade do jogador, localizado em Esmeraldas, na Grande Belo Horizonte. Durante a investigação, testemunhas confirmaram à polícia que viram Eliza, o filho e Bruno na propriedade. Na noite do dia 25 de junho, a polícia foi ao local e recebeu a informação de que o bebê apontado como filho do atleta, de 4 meses, estava lá. A atual mulher do goleiro, Dayane Rodrigues do Carmo Souza, negou a presença da criança na propriedade. No entanto, durante depoimento, um dos amigos de Bruno afirmou que havia entregado o menino na casa de uma adolescente no bairro Liberdade, em Ribeirão das Neves, onde foi encontrado. Por ter mentido à polícia, Dayane Souza foi presa. Contudo, após conseguir um alvará, foi colocada em liberdade. O bebê foi entregue ao avô materno.

Enquanto a polícia fazia buscas ao corpo de Eliza seguindo denúncias anônimas, em entrevista a uma rádio no dia 6 de julho, um motorista de ônibus disse que seu sobrinho participou do crime e contou em detalhes como Eliza foi assassinada. O menor citado pelo motorista foi apreendido na casa de Bruno no Rio. Ele é primo do goleiro e, em depoimento, admitiu participação no crime. Segundo o delegado-geral do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DIHPP) de Minas Gerais, Edson Moreira, o menor apreendido relatou que o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola ou Neném, estrangulou Eliza até a morte e esquartejou seu corpo. Ainda segundo o relato, o ex-policial jogou os restos mortais para seus cães. Segundo o delegado, no dia do crime, o goleiro saiu do sítio com Eliza e voltou sem ela, o que indicaria que o goleiro presenciou a ação.

No dia seguinte, a mulher de Bruno foi presa. Após serem considerados foragidos, o goleiro e seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, acusado de participar do crime, se entregaram à polícia. Os três negam participação no desaparecimento. A versão do goleiro e da mulher é de que Eliza abandonou o filho. No dia 8, a avó materna obteve a guarda judicial da criança.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada