Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 24 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Mudança de comportamento é principal desafio para diabéticos

3 Jul 2010 - 10h54Por UOL

Mudar um comportamento adquirido durante anos, como o de comer o que se quer, é mais difícil do que parece. Para pessoas que descobrem o diabetes tipo 2, em geral após os 40 anos, controlar os gramas de carboidratos consumidos a cada refeição, abandonar os pratos gordurosos e doces e reduzir a quantidade de alimento é mais difícil até do que as picadas para medir a glicose ou tomar insulina.

Todo paciente é orientado sobre os riscos do excesso de açúcar no sangue, como a predisposição a infartos, derrames, doença renal crônica, cegueira e amputação de membros (porque muitos diabéticos perdem a sensibilidade de partes do corpo e eventuais feridas abrem caminho para infecções). Mas todas essas informações não bastam para vencer o desejo de ter uma vida como a da maioria, que come um docinho depois da refeição e toma uma cerveja no fim de semana.

Profissionais de saúde

Promover mudança de comportamento é um desafio, também, para os profissionais de saúde que lidam com diabéticos. Às vezes é preciso recorrer à criatividade para ensinar o paciente a se alimentar direito e cuidar da saúde. Especialmente quando se trata de crianças ou analfabetos. A necessidade de educar esse público fez com que a enfermeira Maria das Graças Velanes, do Cedeba, criasse uma série de jogos, que ensinam a quantidade de carboidrato de cada alimento, a administrar a medicação e a cuidar dos pés de forma lúdica. A iniciativa teve tanto efeito que o material foi patenteado e passou a ser comercializado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia.

Programas de educação também são essenciais para médicos e outros profissionais que atuam na atenção básica à saúde, rede de entrada dos pacientes no sistema público. “Em cidades do interior do Brasil, o médico muitas vezes não tem informação para lidar com o jovem que sofre de diabetes”, ressalta a endocrinologista Denise Reis Franco, coordenadora de educação da Associação de Diabetes Juvenil (ADJ).

Assim como o Cedeba orienta centros de atenção básica em toda a Bahia e promove educação à distância, a ADJ também promove um curso de qualificação para profisionais de saúde que já envolveu 800 profissionais de nove cidades brasileiras.

*A editora viajou ao "Diabetes Summit for Latin America" a convite da WDF, da Organização Pan-Americana de Saúde (Paho) e do Ministério da Saúde

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos