Menu
SADER_FULL
quinta, 24 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

MS pode transformar pastagens degradadas em áreas de reflorestamento

6 Ago 2010 - 06h21Por Fátima News com assessoria

A silvicultura é um setor em crescimento no Estado, isso pode ser verificado pela demanda para os próximos cinco anos, que é de 500 mil hectares de florestas plantadas. Parte dessa demanda vem da mineradora Vetorial, que produz ferro-gusa e que junto com a Ramires Reflorestamento procurou a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) para que seja estudada a possibilidade de utilização das áreas de pastagens degradadas para o plantio de eucalipto.

Com a instalação de indústrias que utilizam madeira de reflorestamento e o lançamento do Plano Estadual de Florestas, Mato Grosso do Sul tornou-se um ponto estratégico para o desenvolvimento da atividade. Um ponto importante é que mesmo com a crescente demanda, o Estado pode atendê-la sem prejuízo de outras atividades produtivas. Isso porque a Secretaria de Produção e Turismo (Seprotur) calcula em 9 milhões de hectares a área de pastagem degradada. De acordo com o superintendente da Famasul, Carlos Alberto do Valle, uma primeira reunião de aproximação foi realizada com a participação de produtores que possam investir no setor dos municípios de Anastácio, Aquidauana, Bodoquena, Bonito, Corumbá, Dois Irmãos do Buriti e Nioaque.

“A possibilidade das florestas plantadas são muitas. Não há redução de mata nativa e utilização de madeira de reflorestamento ao invés do carvão mineral pelas usinas tem um impacto ambiental muito menor”, explica o superintendente da Famasul. O projeto da vetorial visa o plantio de 60 mil hectares em MS, destes, 25 mil devem estar plantados até o início de 2011. A empresa pretende aproveitar a área de pastagens degradadas, que no Estado não precisam de licença ambiental para receber florestas plantadas.

Para os produtores que optarem pelo arrendamento de suas terras, o contrato será de no mínimo 21 anos e o proprietário fica livre das obrigações operacionais, ambientais e trabalhistas da atividade. A remuneração fixa segue a referência da pecuária e o proprietário receberá um percentual de madeira para vender a valores de mercado, podendo chegar a uma boa participação sobre a produção.

No Brasil, o tempo de crescimento do eucalipto é de sete anos, o que torna o País muito competitivo no segmento de silvicultura. Introduzir a atividade no Estado significa diversificação. “É importante que o produtor não se restrinja a uma atividade apenas, pois em um momento de crise há sempre outro produto que possa compensar perdas”, conclui Carlos Alberto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso
Na Pandemia, filas são imensas na CEF de Fátima do Sul-MS AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera hoje saques do auxílio emergencial para mais 3,6 milhões