Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de maio de 2021
Busca
MATO GROSSO DO SUL

MPF e Funai fazem mutirão para registrar 5 mil índios em MS

12 Jul 2010 - 07h02Por Diário MS
Um levantamento realizado recentemente pela Funai (Fundação Nacional do Índio) mostra um cenário preocupante em Mato Grosso do Sul. Segundo o órgão, pelo menos cinco mil índios não possuem certidão nascimento e nem o Rani (Registro Administrativo de Nascimento Indígena) no Estado. Grande parte dos índios sem documentação está concentrada em Dourados e nas aldeias localizadas nos municípios que estão na faixa de fronteira com o Paraguai. A maioria dos indígenas sem registro é formada por crianças e idosos.

Para tentar reverter esse quadro de isolamento, a Funai e o MPF (Ministério Público Federal), em parceria com diversas prefeituras, iniciaram a pouco mais de um mês uma série de mutirões nas aldeias da região Conesul. O objetivo do trabalho de campo é de fornecer certidões de nascimento e Rani aos índios que não possuem documentação.

Conforme a coordenadora regional da Funai em Ponta Porã, Arlete Pereira de Souza, em menos de dois meses, os mutirões organizados pela órgão, em parceria com o MPF e as prefeituras, já possibilitou a legalização de pelo menos 1,5 mil índios. “O levantamento feito pela Funai mostrou esses números alarmantes. Pelo menos cinco mil índios sem certidão de nascimento e Rani. No entanto, as lideranças estimam que esse número possa ser ainda maior. A situação é preocupante, já que esses índios por não terem documentos não podem ter a diversos benefícios, como pensão e aposentadoria. No caso das crianças, o quadro é ainda mais grave, haja vista que sem documentos elas não podem freqüentar a escola. Diante da necessidade de medidas urgentes, a Funai propôs uma parceria com o MPF e prefeitura, e iniciou os mutirões nas aldeias da região. O resultado alcançado até o momento é positivo, já que pelo menos 1,5 mil índios já foram registrados”, comentou.

Segundo ela, os mutirões vão continuar sendo realizados ao longo dos próximos meses em toda a região. A Funai atesta que a falta de documentação e a dificuldade para difundir a agricultura dentro das aldeias são hoje as principais preocupações da população indígena de MS. “A Funai, em parceira com o Ministério Público Federal e as prefeituras, está concentrando esforços para vencer com maior agilidade alguns gargalos existentes junto a comunidade indígena. Esse trabalho de campo que estamos fazendo, além de garantir a documentação dos índios, ajuda a monitorar as principais dificuldades enfrentadas por eles. É um esforço conjunto que tem tudo para levar melhorias para a comunidade indígena”, relatou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada