Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 17 de maio de 2021
Busca
Brasil

MP processa Estado por precariedade de cadeia em Caarapó

3 Set 2010 - 15h38Por Caarapó News

Desde 2008, o Ministério Público Estadual, através dos promotores de justiça, Cláudio Rogério Ferreira Gomes e Fabrícia Barbosa Lima, buscam alternativas para melhorar o sistema carcerário de Caarapó e de Juti, municípios integrantes da Comarca.
 

Conforme informou ao CaarapoNews ainda naquela época, o Ministério Público tomou a iniciativa com o intuito de garantir ao mesmo tempo os direitos dos presos e preservar “a segurança da sociedade e a dignidade no cumprimento da pena”.
 

Em setembro daquele ano, uma ação civil pública requeria que o Estado de Mato Grosso do Sul tomasse providências quanto às condições da Cadeia Pública de Caarapó. A Vigilância Sanitária, segundo relatam documentos do processo, constatou diversas irregularidades no estabelecimento penal, tanto na estrutura onde se alojam presos do regime semiaberto, quanto nas celas masculinas, feminina e para menores, além do solário.
 

Entre as irregularidades apontadas na cadeia estão a superlotação, o número insuficiente de leitos, fiação elétrica exposta, má ventilação e banheiros sem chuveiro, situação que “expõe os detentos a risco à saúde e à vida, a tratamento desumano e até mesmo cruel”.
 

Por outro lado, o MP ressalta que a cadeia está localizada praticamente na área central da cidade, próximo a estabelecimentos comerciais e residências e a segurança, que é um direito fundamental das pessoas, fica comprometida pela falta de agir do Estado de Mato Grosso do Sul para assegurar esse direito, no caso das condições em que se encontra o estabelecimento penal.
 

Já em novembro do ano passado, ambos promotores foram à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), em Campo Grande, visando solucionar ou ao menos amenizar os problemas relacionados ao cumprimento das penas.
 

O encontro com representantes do órgão e a assinatura de um Termo de Compromisso suspendeu a ação por 30 dias. Sessenta dias depois do prazo, o Estado ainda não havia dito quais meios seriam utilizados para alcançar os fins reivindicados na ação pelo MP, situação que permaneceu até o dia 30 de julho.
 

No último dia do mês passado, o juiz Waldir Peixoto Barbosa julgou procedente o pedido do MP contido na ação civil pública de que o Estado deve implementar obras necessárias para a solução dos problemas do sistema carcerário da comarca e, até que as obras sejam concluídas, que a Cadeia Pública seja administrada com recursos do Conselho da Comunidade e com a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), além de que presos perigosos e com condenação sejam transferidos para presídios de segurança máxima.
 

O juiz determinou que, entre outras ações, o Estado apresente, em um prazo de 120 dias, projetos para sanar os problemas verificados pela Vigilância Sanitária e visando a construção de estabelecimento penal aos reeducandos do semiaberto que residem e trabalham em Juti, além da vinda de servidores vinculados à Agepen para o serviço de vigilância dos presos.
 

Caso o Estado não cumpra qualquer uma das obrigações, fica sujeito à multa de R$ 1 mil por dia, com correção de valores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe