Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 26 de outubro de 2021
Busca
Brasil

MP pede segredo de Justiça sobre morte de coronel

14 Set 2006 - 16h49

O promotor Luiz Fernando Vaggione deu nesta quinta-feira parecer favorável ao pedido de quebra de sigilo telefônico do coronel Ubiratan Guimarães, de sua namorada, a advogada Carla Cepollina, e de outras seis pessoas. Ele também solicitou que o inquérito corra em segredo de Justiça, ou seja, se o pedido for aceito não será possível obter informações sobre o andamento do inquérito. Vaggione levará o parecer do Ministério Público Estadual ao juiz Richard Chequini, do 1º Tribunal do Júri, que decidirá sobre as duas questões.

O promotor espera que o juiz dê sua decisão ainda nesta quinta, já que as informações podem contribuir nas investigações sobre a morte do coronel. Segundo a assessoria do Tribunal de Justiça, o juiz participa de uma videoconferência nesta tarde e está hoje com agenda lotada. Mesmo que o pedido chegue até o tribunal hoje, não haverá tempo hábil para análise.

Ubiratan liderou a operação militar na Casa de Detenção do Carandiru, em outubro de 1992, que resultou na morte de 111 prisioneiros. Segundo a secretaria, ainda não há pistas sobre o crime.

Ubiratan foi levado a júri popular em 2001 pelo Massacre do Carandiru e condenado a 632 anos de prisão pela morte de 102 dos 111 presos. Mas em fevereiro deste ano, a sentença original da juíza Maria Cristina Cotrofe foi revertida. O Tribunal de Justiça de São Paulo absolveu Ubiratan Guimarães, por 20 votos a dois. Embora considerasse válido o julgamento de 2001, a maioria dos desembargadores acatou argumentos apresentados pela defensoria e inocentou o coronel. A absolvição causou reações de indignação de entidades de direitos humanos no Brasil e no exterior, como a Anistia Internacional.

Naquele mesmo mês, a Anistia Internacional lançou relatório no qual destacava a impunidade no caso do Carandiru. Nenhum dos responsáveis pelas 111 mortes tinha sido preso e nenhuma família das vítimas fora indenizada, informava o documento. Os 119 policiais acusados de participarem do massacre ainda não foram a julgamento.

O coronel reformado Ubiratan Guimarães exerceu mandado como suplente de deputado estadual em 1997, foi reeleito em 2002 e concorria a um novo mandato nas eleições deste ano.

 
 
 

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS