Menu
SADER_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
Brasil

Mortes violentas atingem 14 mil jovens do Brasil

9 Dez 2004 - 14h31
A cada ano, cerca de 14 mil adolescentes brasileiros de 12 a 19 anos são vítimas de mortes violentas (homicídios, acidentes de trânsito e suicídios). Desse total, quase 12 mil são meninos, sendo que os garotos negros são as maiores vítimas. Enquanto em 2002, 5.093 adolescentes negros nessa faixa etária morreram em decorrência da violência, o número de morte entre os brancos foi de 4.200. Esses dados fazem parte do relatório "Situação Mundial da Infância 2005 - Infância Ameaçada, divulgado hoje pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O relatório destaca o avanço acelerado de mortes violentas entre mulheres na faixa de 15 a 24 anos. Entre 1990 e 2002, a proporção de mortes por violência no total de óbitos passou de 28,3% para 34,1% entre as adolescentes. "A progressão do número de vítimas é muito maior no grupo de adolescentes mulheres", destaca a representante do Unicef no Brasil, Marie Pierre Poirier.

O documento mostra que o maior crescimento da proporção de mortes por violência contra as mulheres verifica-se na região Norte, com aumento de 44% entre 1990 e 2002.

O documento aponta ainda a redução da violência urbana no Brasil como um dos principais desafios a serem enfrentados. Para Marie Pierre, a mudança do quadro requer ações para acabar com a cultura da impunidade. "Cada caso de violação tem que ser acompanhado até o julgamento. Não é normal criar a impressão de que uma vida de um adolescente ou de uma menina não tenha valor algum e que ninguém acompanha o processo de saber porque isso acontece", enfatiza.

Para a representante do Unicef, também é preciso melhorar os sistemas de dados sobre a violência contra as crianças e os jovens, que permitam o acesso a informações "mais confiáveis" sobre os vários tipos de violações, entre as quais a violência sexual. Segundo ela, é importante também incluir nos currículos escolares temas como tolerância e valorização das diferenças.

Pobreza brasileira tem cara de criança do semi-árido
Para Marie Pierre, um dos dados mais preocupantes do relatório é a situação de vulnerabilidade infantil na região semi-árido brasileiro. De acordo com o estudo, 75% das crianças vivem em famílias pobres e, em alguns municípios da região, esse percentual chega a 90%.

Em 95% das cidades do semi-árido, a taxa de mortalidade infantil supera a média nacional, que é de 33 mortes para cada mil crianças nascidas vivas, antes de completarem um ano de idade. Além disso, 46% dos meninos e meninas que vivem na região são analfabetas e 42% não têm acesso à água potável.

O documento traz dados sobre a situação de meninos e meninas brasileiros relacionados à pobreza e suas diferentes dimensões, violência e epidemia de HIV/Aids. O relatório revela ainda que uma em cada duas crianças vive em situação de pobreza em todo o mundo.

No Brasil, 27,4 milhões de crianças e adolescentes fazem parte do universo de famílias que vivem com renda per capita de até meio salário mínimo, o que representa renda diária inferior a R$ 4,33 para cada pessoa.

O relatório será entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima segunda-feira.

 

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho