Menu
SADER_FULL
segunda, 14 de junho de 2021
Busca
MORTALIDADE INFANTIL

Mortalidade infantil no Brasil está em queda acentuada desde 1990

24 Mar 2010 - 06h45Por Ministério da Saúde

Quando passou de 47,1 óbitos a cada mil bebês nascidos vivos para 19,3 a cada mil em 2007.
Com a redução de 59% do número de mortes em menos de 20 anos, o país deve atingir, em 2012, a quarta meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A entidade considera aceitável o número de 14,4 mortes por mil nascidos vivos.
Entre as causas do declínio do óbito de crianças no Brasil estão a ampliação das campanhas de vacinação, maior cobertura do pré-natal, redução da taxa de fecundidade, melhoria dos serviços de saúde, aumento do aleitamento materno e do grau de escolaridade das mães.

Aproximadamente 70% das mortes de recém-nascidos poderiam ser evitadas se as mulheres recebessem maior orientação no pré-natal e parto.

Em 2004, o governo federal lançou o Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, iniciativa que envolve gestores das esferas federal, estadual e municipal, sociedade civil, universidades e sociedades médicas.

Entre as principais ações do programa, que abrange todas as unidades da federação, estão a implantação de comitês para identificar as circunstâncias dos óbitos maternos e propor ações para reduzir as ocorrências, a notificação compulsória do óbito materno, a publicação da lei que garante o direito da gestante à presença de acompanhante durante o parto no âmbito do SUS, o incentivo ao parto normal, a eliminação da sífilis na gestação e sífilis congênita e a redução da transmissão do HIV.

A avaliação das ações realizadas pelos parceiros do Pacto Nacional é feita pela Comissão Nacional de Monitoramento e Avaliação, composta por 37 representações do governo federal e sociedade civil.

Cabe ao órgão também propor ações, diretrizes e princípios éticos para o programa e acompanhar ações dos gestores nas três esferas de governo.

O Pacto pela Redução da Mortalidade Infantil é um compromisso do governo federal para acelerar a redução das desigualdades no Nordeste e na Amazônia Legal.

A proposta é reduzir em, no mínimo, 5% ao ano a mortalidade infantil (crianças menores de 1 ano de idade), especialmente o neonatal (até 27 dias de nascido), nos anos de 2009 e 2010.

As ações desenvolvidas serão concentradas em 250 cidades. São 154 municípios prioritários em oito estados do Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e 96 municípios prioritários em nove estados da Amazônia Legal (Amapá, Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins). Além da saúde da mulher e criança, nessas áreas os objetivos são diminuir o analfabetismo e fortalecer a agricultura familiar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta