Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Mínimo vai a plenário com polarização entre 545 e 560 reais

16 Fev 2011 - 08h52Por Veja

O Congresso Nacional chega ao dia de votação do salário mínimo polarizado entre dois valores: 545 e 560 reais. A primeira proposta veio do governo, que bateu o pé e não aceitou negociar. O valor é resultante da aplicação da fórmula em vigor: o reajuste foi calculado com base na inflação de 2010 mais o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2009. A proposta de 560 reais foi costurada pelo DEM, que conseguiu a adesão de boa parte das centrais sindicais (antes, os sindicalistas pediam 580 reais de mínimo). Na tarde desta quarta-feira, o embate entre os dois valores deve dividir o Congresso. O governo, no entanto, conta com uma vantagem confortável.

Toda a base governista, à exceção do PDT, fechou com o valor de 545 reais. DEM, PDT e PV votarão pela proposta de 560. PSDB e PPS defenderão, a princípio, os 600 reais, como proposto pelo candidato tucano à Presidência, José Serra. Mas sabem que têm poucas chances de sucesso; desta forma, engrossarão o coro dos 560 assim que a emenda dos 600 reais for derrubada pelo plenário da Câmara. O PSOL sonha mais alto: pede um reajuste do benefício para 700 reais.

As seis bancadas, juntas, não têm força para ameaçar o governo: representam 153 dos 513 votos da Câmara dos Deputados. No papel, a vantagem é folgada. O equilíbrio é um pouco maior no Senado; mas, na casa, a oposição também não ameaça. Apenas uma grande traição derrubaria o valor proposto pelo Planalto. E a avaliação de lideranças partidárias é de que não há clima para isso: o PMDB, que ameaçou votar contra o governo como represália depois da insatisfação com a partilha de cargos na Esplanada, foi enquadrado e adotou um discurso de lealdade.

Voto aberto - A votação na Câmara e no Senado será aberta, o que tem duas consequências: por um lado, diminui as chances de uma traição motivada por uma insatisfação contra o governo. Por outro lado, pode incentivar deputados a votarem por um valor mais alto, de olho na repercussão junto ao eleitorado.

Em público, o Planalto defendeu um discurso de austeridade: o argumento repetido à exaustão foi o de que cada real acrescido ao mínimo significaria um impacto de quase 300 milhões de reais nas contas públicas. O Executivo também argumenta que, na fórmula atual, o mínimo chegará a 616 reais em 2012. No Projeto de Lei enviado ao Congresso, o governo apenas arredondou o valor de 543 para 545 reais, mas não cedeu à pressão dos sindicatos, como era comum nas gestões anteriores.

Apesar da pouca flexibilidade no trato do governo com o Congresso, o primeiro grande teste do governo de Dilma Rousseff no Parlamento tem poucas chances de dar errado: o governo ameaçou cortar emendas parlamentares, pressionou sindicalistas usando a correção da tabela do imposto de renda e fez corpo a corpo com deputados e senadores. A vitória é dada como certa. Mas o placar vai servir para dar a dimensão real da base aliada no Congresso.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço