Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 5 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Metade dos brasileiros está acima do peso, diz governo

18 Abr 2011 - 15h40Por Abril
A má alimentação e o sedentarismo têm elevado o índice de obesidade no Brasil de forma cada vez mais rápida. Praticamente metade dos brasileiros está acima do peso, de acordo com um estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Ministério da Saúde. O levantamento mostra que 48,1% da população brasileira têm sobrepeso ou obesidade. Em 2006, a taxa estava em 42,7%.

O problema atinge os homens numa proporção maior: na população masculina, o porcentual de sobrepeso é de 52,1%, ante 44,3% entre as mulheres. A capital com maior percentual de moradores com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 25, o nível máximo adequado, é Rio Branco (AC): lá, a taxa é de 55,2%. O menor nível é o de Palmas (TO): 36,6%.

A parcela de adultos considerados obesos passou de 13,9% em 2009 para 15% em 2010. Em 2006, esse porcentual era de 11,4%. Se a média de crescimento for mantida, em 13 anos o Brasil terá um índice de obesidade semelhante ao dos Estados Unidos, onde o problema é tratado como uma epidemia.

A pesquisa constatou também os fatores que influenciam o aumento da obesidade:  28% da população gastam mais de três horas diárias diante da televisão, enquanto apenas 14,9% praticam atividades físicas regularmente.

A má alimentação é outra razão apontada para o aumento da obesidade. Apenas 18,2% da população adulta consomem a quantidade adequada de frutas e hortaliças, de acordo com o Ministério da Saúde. E 28% bebem refrigerantes ao menos cinco dias na semana.

O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa diz que o aumento da renda da população exige que o governo aumente a difusão de informações sobre hábitos saudáveis: “A melhoria dos padrões sociais do Brasil tem propiciado um maior acesso aos bens de consumo. Uma maior instrução pode fazer com que as pessoas, ao invés de adquirir produtos que não têm valor nutricional, consumam mais frutas e verduras”.

Fumo - A pesquisa, que ouviu mais de 54.000 pessoas em 2010, confirmou ainda a tendência de queda lenta no porcentual de fumantes no país. Hoje, 15,1% da população são dependentes do cigarro. Em 2006, esse índice era de 16,2%. “Essa redução é mais lenta entre os menos instruídos. Isso, junto com outros fatores de risco, explica por que a carga das doenças não-transmissíveis se reduz menos ou cresce entre as pessoas mais pobres”, avalia Jarbas Barbosa.

Outro dado que resultou da pesquisa aponta que o consumo de bebidas alcoólicas de forma excessiva atinge 18% da população, contra 16,2%, em 2006. O aumento ocorreu de forma mais expressiva entre as mulheres.

As conclusões da pesquisa devem ser usadas para orientar a formulação de políticas públicas pelo Ministério da Saúde. Os dados também vão ser aplicados para orientar a posição do Brasil na reunião em que chefes de estado de todo o mundo discutirão a situação da saúde pública no planeta. O encontro ocorre em setembro, na sede das Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
RIGOR DA LEI
Cidade vai multar em até R$ 60 mil quem descumprir decreto de combate ao Covid-19