Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 20 de junho de 2021
Busca
Brasil

Metade das vagas oferecidas nos vestibulares ficou ociosa em 2008

28 Nov 2009 - 06h01Por G1

Das quase 3 milhões de vagas oferecidas em cursos de graduação presencial no país em 2008, metade não foi preenchida. O total de vagas ociosas praticamente alcançou a marca de 1,5 milhão. A grande maioria delas (98%) está em instituições privadas. As informações fazem parte do Censo da Educação Superior, divulgadas nesta sexta-feira (27) pelo Ministério da Educação (MEC). 

 

Numa comparação com os últimos seis anos, 2008 registrou o maior percentual de vagas ociosas: 49,55%. Essa tendência de alta já vinha ocorrendo nos últimos anos. Mesmo assim, as instituições de ensino não deixaram de abrir mais vagas. O número de lugares no ensino superior em 2008 cresceu 5,7% em relação a 2007.

 

O número de ingressantes em 2008 foi de 1.505.819 alunos. Quase 80% (1.198.506) foram para instituições particulares. Entre as públicas, as federais tiveram o maior número de ingressantes, 162.115.

 

Os cursos também cresceram em 5,2% e, no ano passado, o Brasil tinha 24.719 cursos em funcionamento. O censo mostra que mais de 72% (ou 17.947) são ofertados por instituições privadas.

Uma das explicações para esse cenário é a falta de planejamento das instituições, principalmente as privadas, na opinião do consultor em ensino superior, Carlos Monteiro.

 

 “Observamos essa tendência [de alta no número de vagas ociosas] nos últimos cinco anos, que vem aumentando de maneira brutal, principalmente no ensino particular. Isso representa uma deficiência no seu posicionamento estratégico. São instituições que acreditam em um mito que não existe mais. Há 20 ou 30 anos era mais garantido o retorno.”

 

 “O aumento de vagas é fruto da concorrência no setor privado por alunos. Eles oferecem mais cursos em lugares e cidades diferentes, com valores mais baixos"

 

Jacques Schwartzman, diretor do Centro de Estudos de Ensino Superior da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), tem uma visão parecida. “Isso é fruto da concorrência no setor privado por alunos, porque essas vagas ociosas são quase todas no setor privado. No setor público, é pouco muito o número de vagas ociosas. Isso representa uma luta por alunos. Eles oferecem mais cursos em lugares e cidades diferentes, com valores mais baixos.”

 

No entanto, ele pondera que não é possível atribuir unicamente à falta de planejamento das instituições e à luta por atrair mais alunos. “Essas vagas não são totalmente ociosas. Em muitos casos, o acontece é que cerca de 30% dessas vagas são uma espécie de reserva técnica", diz.

 

"As faculdades isoladas, que não têm autonomia para criar cursos ou ampliar as vagas, na hora de fazer o credenciamento no MEC, superestimam o número de vagas. Assim, se precisarem mais para a frente das vagas, não precisam voltar ao MEC e fazer a burocracia toda outra vez."

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América
FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado