Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Menino perde as orelhas após ser atacado por cães em MG

15 Set 2004 - 10h08
Um menino de quatro anos perdeu as duas orelhas após ter sido atacado na segunda-feira por dois cães --um pit bull e um rottweiler-- em Montes Claros (MG).

O ataque ocorreu na casa de uma tia do menino, dona dos cães. O garoto foi socorrido por familiares e levado para a Santa Casa de Montes Claros, onde foi operado. De acordo com o cirurgião plástico Sérgio Souza, além das duas orelhas, o menino perdeu parte do couro cabeludo e da pele do lado esquerdo do rosto. Os órgãos auditivos internos não foram afetados.
O médico informou que a reconstituição das orelhas só poderá ser feita após a cicatrização, que levará um ano. O menino, segundo Souza, não corre risco de morte, mas ficará pelo menos mais dez dias internado.
Souza disse ainda que essa foi a oitava criança ferida por cães operada por ele neste ano. Em Juiz de Fora (MG), um pit bull foi morto nesta segunda-feira por PMs.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV