Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 19 de junho de 2021
Busca
Brasil

Medidas do governo impediram queda maior do PIB

12 Mar 2010 - 17h14Por Agência Brasil
O papel do governo, ao reduzir tributos e aumentar os gastos para estimular a economia, impediu uma retração maior do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009, avaliou o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann.

Segundo ele, o direcionamento dos estímulos para o mercado interno foi essencial para impedir o aprofundamento da crise.“O desempenho negativo [da economia] foi interrompido, a partir do segundo trimestre do ano passado, muito mais por ações internas que externas.

As medidas de estímulo ao emprego, à renda e à produção evitaram uma recessão profunda”, afirmou Pochmann em entrevista à Agência Brasil.

Segundo Pochmann, o dado mais significativo que comprova o peso do mercado interno na economia foi o consumo das famílias, que cresceu 4,1% no ano passado, apesar da queda de 0,2% do PIB. “

A expansão dos gastos das famílias gerou um adicional de R$ 160 bilhões na economia no ano passado, uma média de R$ 2,8 mil por família”, explicou.

Se for levado em consideração o peso do mercado interno na economia, o consumo das famílias passou de 60,3% do PIB em 2008 para 62,8% no ano passado.

Na avaliação do presidente do Ipea, a política anticíclica (na qual o Estado gasta mais em tempos de crise) foi essencial para manter a atividade econômica em 2009.

“Se fosse mantida a tendência observada no último trimestre de 2008, o Brasil teria caminhado para uma recessão acima de 7%, em vez de uma queda próxima de zero”.

Pochmann disse que o Ipea estimava leve crescimento no PIB em 2009, ao contrário da queda anunciada pelo Instituto Brasileiro de Economia e Estatística (IBGE).

Segundo ele, o desempenho dos setores ligados ao mercado internacional foi o principal fator que puxou o PIB para baixo.

“A agropecuária registrou queda porque é vinculada às exportações e a indústria é influenciada pelo elevado grau de internacionalização das empresas, que tomam decisões pensando na economia internacional, não necessariamente na realidade do país em que estão instaladas". De acordo com o IBGE, a indústria caiu 5,5% e a agropecuária apresentou queda de 5,2% no ano passado.

Sobre a ampliação dos gastos públicos, o presidente do Ipea afirmou que a política foi acertada, mesmo com o crescimento dos gastos de custeio (manutenção da máquina pública).

“Na crise, é muito difícil tomar decisões de investimentos, que requerem tempo para maturar. Os gastos de custeio apresentam resultados mais rápidos”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América
FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado