Menu
SADER_FULL
quarta, 28 de julho de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
IVINHEMA

Médicos responderão por homicídio de bebê de Ivinhema

9 Set 2010 - 10h56Por Campo Grande News
Na reta final da investigação que apura a morte de Mibsan Rodrigues Cabreira, o delegado responsável pelo caso, Lupérsio Degerone, revela que os médicos envolvidos na briga que resultou na morte da menina serão indiciados por homicídio doloso.

Mibsan faleceu durante parto interrompido pela discussão “acalorada” dos médicos Sinomar Ricardo, 69 anos, e Orozimbo Ruela, 42 anos. A confusão aconteceu dia 23 de fevereiro deste ano, no Hospital Municipal de Ivinhema.

De acordo com o delegado, um depoimento foi fundamental para se chegar a esta tipificação. O médico Humberto Ferraz, que fez o parto da menina depois da briga, prestou depoimento na delegacia da cidade no fim do mês de agosto.

O objetivo da oitiva era identificar em que momento teve início o parto. O depoimento do profissional durou quatro horas e foi esclarecedor, segundo o delegado.

Lupérsio explica que, na versão de Humberto, o parto começa quando as contrações se iniciam. Desta maneira, se enquadra em homicídio doloso, neste caso, por dolo eventual.

“No direito brasileiro existem teorias e uma delas é a da viabilidade pela vida. O entendimento é de que se o feto já estava pronto, sem problema de saúde, e há interrupção na sequência, há entendimento de que seria homicídio”, detalha o delegado.

No primeiro momento da investigação ele apontou a possibilidade de indiciamento por aborto. No entanto, com a declaração do médico, houve a mudança no entendimento do policial.

O delegado pondera que, depois da conclusão do inquérito, o caso vai para o MPE (Ministério Público Estadual) e, posteriormente, à Justiça. “Também depende da denúncia (do MPE)”, pontua.

Ele ressalta a complexidade do caso. “Eu nunca ouvi falar em algo assim. É preciso analisar com calma”, completa.

A previsão é de conclusão do inquérito ainda este mês. “Já estamos com todos os laudos nas mãos”, destaca.

Laudo pericial aponta que o bebê teve sofrimento agudo até ser retirado do útero da mãe por meio de uma cesárea. O exame foi feito em amostra da placenta colhida logo após o episódio, no dia 23 de fevereiro.

O resultado confirma que a briga entre os profissionais foi determinante para a morte da criança.

Mudança - Os médicos envolvidos na morte da menina se mudaram de Ivinhema. Orozimbo passou a trabalhar em Deodápolis e Sinomar em Campo Grande, segundo o delegado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos
COVID 19 NO BRASIL
Brasil registra 19,68 milhões de casos de covid-19 e 549,92 mil mortes
Foto: Mycchel Legnaghi - São Joaquim online PREVISÃO DO TEMPO
Maior frio do ano? Temperaturas negativas, geada e até neve!
TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica
TRAGÉDIA NO RIO
Barco vira com nove pessoas matando 3 crianças e 3 adultos