Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 26 de fevereiro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Médicos de MS vão parar atendimento no dia 07

4 Abr 2011 - 14h18Por Correio do Estado

Acompanhando a mobilização nacional, Mato Grosso do Sul, também vai parar o atendimento médico aos planos de saúde no dia sete de abril. Neste dia os profissionais não realizarão consultas e outros procedimentos. Os pacientes previamente agendados serão atendidos em nova data e todos os casos de urgência e emergência receberão a devida assistência. O protesto acontece pela defesa da saúde suplementar, pela prática segura e eficaz da medicina, e especialmente por mais qualidade na assistência prestada aos cidadãos.

No Estado, o ato está sendo organizado pelo SinMed-MS (Sindicato dos Médicos), CRM-MS (Conselho Regional de Medicina) e AMMS (Associação Médica). Segundo o presidente do sindicato, Marco Antônio Leite, é preciso agir contra o tratamento desrespeitoso dos planos de saúde com os médicos e pacientes. “Não podemos mais aceitar a forma com que a saúde suplementar vem sendo conduzida. Dia sete acontece o primeiro ato de paralisação e se for preciso faremos outros até que as condições atuais se revertam”, protesta o presidente.

Para o presidente do CRM-MS, Juberty Antônio de Souza, as entidades médicas estão convictas de que é preciso mobilizar toda a sociedade para a campanha, pois a população e os médicos são os maiores prejudicados com a forma em que está sendo conduzida a política dos planos de saúde. 

Atualmente, as operadoras intervêm de forma direta no trabalho médico, criando barreiras para o pedido de exames e internações, solicitando antecipação de altas e transferência de pacientes, entre outras ações prejudiciais à qualidade no atendimento e tratamento.

Outro motivo da paralisação é em relação aos honorários médicos, pois nos últimos dez anos os repasses foram irrisórios, enquanto as operadoras aumentaram o valor da mensalidade para o cliente com porcentagens acima da inflação. “Hoje em dia montar clínica fica praticamente inviável para o profissional, os custos são altíssimos o retorno é pouco e o desgaste físico e mental se torna cada vez mais frequente”, explica o presidente do SinMed-MS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARCERE PRIVADO
Homem é preso por cárcere privado e violência doméstica após mulher pedir socorro com foto nas redes
NOVO AUXILIO
Presidente afirma Auxílio emergencial deve voltar em março, com parcelas de R$ 250
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas
MUNDO DO CRIME
Após morrer de Covid-19 no mesmo dia, casal tem oficina invadida e furtada
TRISTEZA NA FAMILIA
Pai e filho morrem de Covid-19 com poucas horas de diferença
CNH GRÁTIS
CNH Grátis: 8 mil carteiras gratuitas liberadas pelo DETRAN; inscreva-se
FINAL DA COPA DO BRASIL
Quem será o campeão da Copa do Brasil?
DIVIDA PÚBLICA
Dívida pública sobe em janeiro e atinge R$ 5,06 trilhões
ALÔ NAÇÃO RUBRO-NEGRA
VÍDEO: 'Jorge' o Urubu queridinho de Culturama viraliza nas redes sociais da Nação Rubro-Negra
LOCKDOWN
Com explosão de casos de covid, e 14 deputados infectados A. Legislativa volta a fechar as portas