Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 15 de maio de 2021
Busca
Brasil

MCT vai pedir que Senado libere pesquisa com embriões

20 Jul 2004 - 17h17
O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) vai defender junto aos senadores a liberação das pesquisas com células-tronco de embriões humanos, anunciou o ministro Eduardo Campos, em seu pronunciamento na 56.ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Ele argumentou que estas pesquisas são fundamentais para o desenvolvimento científico do País.

"Há resistências localizadas contra a liberação dessas pesquisas, essenciais para o desenvolvimento da ciência brasileira", disse Campos. "O MCT vai atuar firmemente em favor da liberação, no que, tenho certeza, terá o apoio da SBPC e da Academia Brasileira de Ciências."

O ministro também anunciou que, até 2007, o setor de ciência e a tecnologia terá investimentos de R$ 37,6 bilhões, o que representa 54% a mais do que os R$ 24,4 bilhões empregados de 2000 a 2003. Os recursos, disse ele, integram o Plano Estratégico do ministério.

Posição

Foi a primeira vez que o MCT se posicionou oficialmente sobre a polêmica das pesquisas com embriões. A SBPC e instituições de peso, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) já se mobilizaram para mostrar aos senadores a importância de eliminar restrições às pesquisas com células-tronco, voltadas à busca de tratamento para doenças como Alzheimer, Parkinson e diabetes, entre outras.

O Senado está analisando a Lei de Biossegurança, que trata deste assunto – entre outros – e há a possibilidade de adicionar uma emenda liberando as pesquisas com embriões humanos. O texto da lei, aprovado em fevereiro na Câmara dos Deputados, proíbe estas pesquisas.

Resistência

A utilização de células-tronco de embriões humanos enfrenta forte resistência de grupos religiosos como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e os evangélicos, que têm uma bancada considerável no Congresso. O texto da Lei de Biossegurança foi definido na Câmara em meio a desinformação e temores de que os cientistas quisessem clonar seres humanos. A CNBB divulgou nota recentemente argumentando que embriões humanos são seres vivos, e que não podem ser manipulados por cientistas.

Os pesquisadores pedem que a lei autorize o uso de embriões congelados nas clínicas de fertilização assistida – que são jogados no lixo depois de algum tempo. Também pedem o direito de produzir embriões clonados dos próprios pacientes, para que as células-tronco extraídas provoquem menor rejeição.

Os cientistas usam embriões até o estágio de blastocisto, quando são um algomerado de algumas dezenas de células in vitro.

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada