Menu
SADER_FULL
terça, 26 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Marcha do mínimo levará 10 mil pessoas a Brasília

16 Nov 2006 - 07h29
As principais centrais sindicais do país, à frente a CUT e a Força Sindical, organizam uma marcha de 10 mil pessoas a Brasília. Será no dia 6 de dezembro. O objetivo é pressionar o governo Lula e o Congresso a aprovarem um aumento de 20% no valor do salário mínimo – dos atuais R$ 350 para R$ 420. As centrais reivindicam também a antecipação do reajuste de abril para março de 2007.
O problema é que o Orçamento da União para o próximo ano prevê um reajuste bem menor – o mínimo passaria de R$ 350 para R$ 375. Às voltas com a discussão de um pacote fiscal que inclui a perspectiva de cortes de gastos, o governo não se mostra disposto a atender à reivindicação. “Daí a necessidade da marcha”, disse o presidente da CUT, Artur Henrique. “Achamos que é preciso fazer pressão”.
As centrais estabeleceram “cotas de mobilização” de manifestantes. O movimento será iniciado nos Estados, no próximo dia 29. “Reuniremos 10 mil pessoas com certa facilidade”, diz Henrique. “Marcharemos sobre a Esplanada dos Ministérios na manhã do dia 6 de dezembro. À tarde, iremos ao Congresso Nacional. A pressão deve ser exercida sobre o Executivo e o Legislativo.”
Esse é o primeiro embate direto entre o movimento sindical e o governo depois da eleição presidencial. Durante a campanha, as duas maiores centrais se dividiram. A CUT apoiou Lula (PT). A Força Sindical ficou ao lado do candidato derrotado Geraldo Alckmin (PSDB). Um dos principais argumentos da CUT em favor de Lula foi o de que o presidente assegurou aumentos reais para o mínimo ao longo do primeiro mandato.
No final do ano passado, as centrais pediam que o mínimo fosse reajustado de R$ 300 para R$ 400 (33%). Ao final de uma negociação que consumiu os três primeiros meses de 2006, o mínimo foi a R$ 350 (16,6%). Embora o aumento tenha ficado aquém da reivindicação dos trabalhadores, foi uma das maiores altas da história. Houve, de quebra, um ganho adicional: o governo antecipou a vigência do reajuste de maio para abril.
O número de brasileiros que recebem o salário mínimo – entre empregados ativos, aposentados e pensionistas da Previdência — é   de 25 milhões de pessoas. Se o valor for reajustado para R$ 420, como desejam as centrais sindicais, o impacto sobre o Orçamento da União será de cerca de R$ 14 bilhões. Algo nada negligenciável para um governo às voltas com a necessidade de conter gastos e de ajustar as contas da Previdência.
Artur Henrique argumenta que é preciso considerar também os aspectos positivos. “Além de contribuir para a redução da pobreza, o aumento da renda dos trabalhadores e pensionistas eleva o consumo e exerce um efeito dinâmico sobre a economia que contribui para o desenvolvimento da economia”, diz ele.
O presidente da CUT argumenta, de resto, que, somando-se os trabalhadores do mercado formal e do informal (sem carteira assinada) há 22 milhões de pessoas recebendo o salário mínimo. Somando-se a esse contingente as pessoas que recebem até dois mínimos, o número de beneficiados sobre para 42 milhões. “É a maior campanha salarial do mundo”, diz Henrique.
 
 
 
Com Josias de Souza/Folha Online

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS