Menu
SADER_FULL
quarta, 16 de junho de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Marçal Filho elogia decisão sobre aposentados

14 Out 2009 - 07h52Por Diário MS
O deputado federal Marçal Filho (PMDB/MS) elogiou a decisão anunciada pelo presidente da Câmara Federal, Michel Temer (PMDB/SP), de incluir na pauta de votações o projeto de lei que assegura o mesmo reajuste concedido ao salário mínimo a todos os benefícios mantidos pelo INSS, e o projeto de lei que extingue o Fator Previdenciário. As duas proposições se arrastam há vários anos nas comissões da Câmara e agora, após intensa mobilização dos aposentados e dos parlamentares que os representam, devem ser analisados pelo plenário.
Coordenador para Mato Grosso do Sul da Frente Nacional em Defesa dos Aposentados, Marçal Filho tem mobilizado a categoria, através de eventos como o seminário “A luta dos Aposentados no Congresso Nacional”, promovido recentemente em Campo Grande e que reuniu aposentados e pensionistas de todo o Estado, e de outras iniciativas de âmbito parlamentar. Segundo ele a revisão da política de reajuste dos benefícios pagos aos aposentados e pensionistas é uma questão de justiça.
Marçal Filho avalia que as mudanças nas regras devem ser uma resposta aos 8 milhões de brasileiros, que devido a vários mecanismos (como o famigerado Fator Previdenciário) vêm a cada dia tendo mais reduzido o poder de compra dos benefícios que recebem, após anos a fio de contribuição.
“Os números são claros no que se refere à injustiça que vem se perpetrando contra os aposentados que ganham mais que um salário mínimo”, ponderou o parlamentar, apresentando números que, segundo ele, justificam as mudanças. “Para se ter uma idéia os aposentados que recebiam um salário mínimo em 2006 tiveram reajuste de 16,6%, e os que recebiam acima de um salário tiveram reajuste de 5,1%. Agora, em 2009, os que recebiam um salário mínimo tiveram correção de 8,6%, enquanto os que recebiam acima de um salário, só tiveram reajuste de 3,3%”, apontou.
Marçal Filho citou como exemplo o caso de um homem que tenha começado a trabalhar aos 16 anos e decida se aposentar aos 51 anos, com 35 de contribuição. “O valor do beneficio integral a que teria direito, considerando-se a média das maiores contribuições, seria de R$ 1 mil. Pela regra atual, esse trabalhador teria um fator previdenciário de 0,629. Ou seja, ele receberia de aposentadoria R$ 629 – perda de 37,1%”, constatou Marçal, ressaltando considerar a regra “verdadeiramente um absurdo”.
Marçal Filho afirmou concordar, “em gênero, número e grau”, com a Confederação Brasileira dos Aposentados e Pensionistas. “A Previdência Social deve ser discutida, sobretudo, com responsabilidade social, resgatando o modelo de Seguridade Social determinado pela Constituição Federal, que preconiza o uso dos recursos orçamentários para custear as ações de uma nova e abrangente política social baseada na inclusão e na expansão das aposentadorias e pensões urbanas e rurais”, defende o deputado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado
ANTECIPAÇÃO
Governo antecipa pagamento de parcelas do auxílio emergencial
918d8b7fa56ee0a828ae4ad908fedeb3 ATENTADO AO PUDOR
Casal é flagrado fazendo sexo em plena praça pública no dia dos Namorados
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem morre após desviar de buraco e cair com carro em córrego
+ AUMENTO
Gás de cozinha fica mais caro a partir desta segunda feira, 14