Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Maracaju recebe programa de apoio fiscal a municípios

21 Out 2004 - 09h13
Dois técnicos do Ministério da Fazenda e uma representante da Caixa Econômica Federal de Campo Grande estão em Maracaju, a 164 quilômetros de Campo Grande, para fazer a primeira licitação através do Pnafm (Programa Nacional de Apoio Fiscal dos Municípios Brasileiros) para a compra de equipamentos de informática. Conforme o Maracaju News, os técnicos tomaram como positiva a eficiência e organização do setor de arrecadação do município, que é o primeiro do país a receber o apoio fiscal.
O projeto é feito com apoio do governo federal aos estados que tiveram suas dívidas renegociadas e é uma ajuda para o fortalecimento da receita própria desses locais. O total de recursos a serem movimentados pelo Pnafm em três fases é de U$$ 2 Bilhões e 200 Milhões vindos do banco Interamericano de Desenvolvimento, BID e contra partida municipal. Em Maracaju o financiamento é de R$ 300 mil.
 
 
 
 
 
 
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV