Menu
SADER_FULL
segunda, 27 de setembro de 2021
Busca
MISSÃO DE PAZ

Mais militares brasileiros embarcam para o Haiti

29 Jan 2011 - 07h01

Na manhã de ontem 45 militares embarcaram para a Missão de Paz que o exército brasileiro cumpre no Haiti. São militares de diversos estados, inclusive Mato Grosso do Sul. Eles participaram de um treinamento de três meses em Aquidauana, no batalhão de engenharia. A tropa vai trabalhar na área de engenharia, cuidando da infraestrutura da frota e do próprio país. Também embarcaram hoje 51 militares da Marinha do Brasil, um grupo com 31 militares paraguaios e um militar boliviano.

Saindo de Campo Grande, após três horas e meia de viagem os militares devem chegar a Boa Vista, Roraima, e depois vão direto para Porto Príncipe, capital do Haiti, chegando lá três horas depois. A tropa vai utilizar para a viagem um avião da força aérea.

No dia 12 de fevereiro outra tropa com 66 militares, todos de Mato Grosso do Sul, deve seguir à Missão. Em agosto do ano passado foi uma tropa 810 militares, que começam a retornar em 14 de fevereiro. Até agora, 15 mil militares de todo o Brasil já embarcaram para a Missão, que dura seis meses.

Um dos militares que chega hoje em Porto Príncipe é o capitão Marcos Cézar Alves Ribeiro, 26 anos. Ele é formado na área de engenharia e vai trabalhar com a manutenção de equipamentos e viaturas. Há oito anos Marcos está na carreira militar, sendo que em seu primeiro ano já foi aprovado na academia de oficiais. Ele deixa no Brasil um filho de três anos, e diz ter consciência da escolha. “Estou preparado, tive um treinamento de seis meses. Tenho consciência que vou encontrar uma situação difícil”, disse ele.

O pai do capitão Marcos também é militar, há 28 anos. Roney Bento Alves Ribeiro mora em Aquidauana, onde é 1º tenente. Ele diz que está orgulhoso pelo filho “trilhar o próprio caminho”.

O cabo Acássio Porso, 23 anos, também se despediu da família nesta manhã. Pai, mãe, esposa e dois filhos estiveram hoje na base aérea para chorar as saudades que vão sentir durante os seis meses da Missão. A mãe do rapaz, Adair Porso, 42 anos, chorava muito. “É a primeira vez que meu filho viaja tão longe e fica tanto tempo”, justificou a mãe em lágrimas. A esposa de Acássio, Gislaine dos Santos Salim, 21 anos afirmou também chorando, que sabe que uma Missão como esta é o sonho dele. Ela afirmou que vai sentir saudades, mas que os dois vão conversar pela internet. Acássio acredita que vale a pena. “Vou para poder ajudar aquela nação, mas a saudade vai ser grande”.

Os militares que vão para o Haiti continuam recebendo o mesmo salário pago pelo Exército normalmente. Enquanto eles estão em Missão, a ONU (Organização das Nações Unidas), deposita de 900,00 a 4 mil dólares por mês para cada um dos militares, variando a quantidade de acordo com a patente. Voltando ao Brasil, o salário volta ao que era antes de eles partirem, não há nenhuma promoção por conta disso e eles recebem uma medalha.
 

Leia Também

SOB INVESTIGAÇÃO
Amigos saem para pescar e encontram cadáver boiando em rio
DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio
ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina