Menu
SADER_FULL
sábado, 8 de maio de 2021
Busca
Brasil

Mais de 600 mulheres foram vítimas de violência em MS

7 Ago 2010 - 05h22Por Notícias MS

Mato Grosso do Sul teve nos primeiros seis meses deste ano 639 mulheres vítimas de violência doméstica, porém o total de chamadas (que não se relaciona diretamente com a incidência de crimes ou violência) recebidas pela Central de Atendimento à Mulher (180), registrou 3.494 ligações. As informações são da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres.

A pesquisa divulgou, também, que a maioria das mulheres que ligam para a Central tem entre 25 e 50 anos. Das agressões, 342 (53,52%) são praticadas pelo próprio companheiro (marido ou namorado). Dessas mulheres, 307 (48,04%) são agredidas diariamente e 345 (53,99%) não dependem financeiramente do agressor.

Entre os tipos de violência, as que mais se destacam são as agressões físicas, com 319 ocorrências, o que corresponde a 49,92%; psicológicas com 191 (29,89%); morais com 113 (17,68%) e ameaça, com 94 (14,71%). Os outros tipos de queixa denunciadas na Central apenas nesses primeiros seis meses são violência sexual, patrimonial, cárcere privado e tentativa de homicídio.

De acordo com a coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Mulher, Carla Stefanini, as mulheres estão denunciando mais devido aos serviços de assistência e de proteção que são oferecidos pelo Centro de Apoio e as Casas de Abrigo existentes. “Trabalhamos para incentivar a mulher a denunciar. Hoje tem a Lei Maria da Penha que é para coibir essa violência e garantir a punição do agressor”, afirma.

A coordenadora ainda diz que a violência contra a mulher é subnotificada no País. “Muitas têm medo de denunciar devido ao companheiro fazer pressão psicológica e assim consegue mantê-la refém”, explica.

Lei Maria da Penha

A lei nº 11.340, denominada Lei Maria da Penha, sancionada em 7 de agosto de 2006 e que entrou em vigor em 22 de setembro do mesmo ano, cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do artigo 226 da Constituição Federal e da Convenção sobre a eliminação de todas as formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher.

A lei possibilita que agressores de mulheres sejam presos em flagrante ou tenham decretada a prisão preventiva. A legislação também aumenta o tempo máximo de detenção, previsto de um para três anos, e também prevê medidas que vão desde a saída do agressor do domicílio à proibição de se aproximar da mulher agredida e dos filhos.

A lei foi criada depois que Maria da Penha, (que acabou dando nome à lei) foi agredida pelo marido durante seis anos e com duas tentativas de assassinato. Na primeira com arma de fogo, que acabou deixando-a paraplégica e na segunca por eletrocussão e afogamento. O agressor só foi punido depois de 19 anos de julgamento e cumpriu dois anos em regime fechado.

Em Mato Grosso do Sul existem três Centros de Apoio à Mulher (Campo Grande, Dourados e Nova Andradina) e duas Casas de Abrigo (Campo Grande e Dourados).

No Estado, 12 municipíos possuem a Delegacia da Mulher. A Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180) é um número nacional e a mulher que quiser denunciar por ter sofrido agresões liga gratuitamente para a Central e será orientada a procurar a delegacia mais próxima.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo