Menu
SADER_FULL
terça, 2 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Mãe confessa ter afogado filho de 5 anos em balde de água

29 Mar 2007 - 13h13
 

O garoto Leonan Bruno Muniz (5), que morreu afogado em um balde dentro da própria casa, em Cuiabá (MT), não foi vítima de um acidente. Miguelina Miranda Muniz, mãe do garoto, confessou ter matado a criança. Ela disse que teria se descontrolado por causa do aluguel atrasado e pela falta de comida na casa. A informação é do delegado Márcio Pieroni, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá.

Leonan Muniz morreu afogado em um balde, na casa dele, no bairro CPA 2 em Cuiabá, na manhã do dia 14 de março. Os pais de Leonan disseram na época que saíram cedo para trabalhar e a babá, como de costume, chegou à residência por volta de 6h30 para cuidar dos dois filhos do casal. A empregada disse que, quando entrou na casa, encontrou o garoto caído em um balde de tinta no banheiro. Em depoimento à polícia, a babá disse que o recipiente estava cheio de água.

Mas desde o começo, a versão de acidente doméstico levantou dúvidas. A necrópsia revelou vários ferimentos no corpo da criança. O laudo do Instituto Médico Legal apontou como causa da morte asfixia mecânica e não afogamento.

""Ela disse pra mim, sempre friamente, que retirou o menino de cima da cama, o Leonan, e começou a espancá-lo. Jogou-o várias vezes no chão e, em uma dessas vezes, ele deve ter batido a cabeça no chão, e ela o arrastou para dentro de um balde que estava no banheiro da casa e acabou afogando-o", disse o delegado Márcio Pieroni.

Segundo a polícia, Miguelina montou um álibi para desviar as suspeitas. Na manhã do crime, ela teria ligado para o marido dizendo que sentia um mau presságio. E pediu que ele fosse até a casa da família ver se estava tudo bem com os filhos. No primeiro depoimento à polícia, a mãe do garoto tentou culpar a babá Maria Helena da Silva, que encontrou Leonan caído dentro do balde. Segundo o delegado, Miguelina não demonstrou arrependimento.

O delegado disse também que houve muitas mentiras e contradições durante as acareações feitas entre a mãe de Leonan e o marido dela, e que por isso a polícia chegou à conclusão de que Miguelina estava mentindo e que seria a autora do crime.

Com a ajuda de vizinhos, a babá ainda tentou socorrer o garoto, levando-o para a policlínica do bairro, mas não conseguiu atendimento. Depois, Leonan foi levado para o Pronto Socorro de Cuiabá, onde já chegou sem vida.

O fato levou a Secretaria de Saúde da capital a abrir uma sindicância para apurar uma possível omissão dos funcionários da policlínica. 

 

 

RMT Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial
FÁTIMA DO SUL - BOLETIM CORONAVÍRUS
BOLETIM: Fátima do Sul tem mais 04 casos confirmados, sobe para 69 e tem 12 pacientes recuperados