Menu
SADER_FULL
sábado, 15 de maio de 2021
Busca
Brasil

Lula: "FHC não teve coragem para mudar a economia no país"

25 Ago 2004 - 07h38
 

Pouco antes de deixar Santiago (Chile) hoje para seguir até Quito (Equador), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a política econômica do governo de seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

Sem citá-lo nominalmente, Lula fez uma alusão ao que definiu como falta de "coragem" de FHC para ter mudado os rumos da economia quando isso contrariava interesses em ano eleitoral.

Lula fazia uma referência ao ano de 1998, quando FHC era candidato à reeleição e deixou de desvalorizar o real - segundo a oposição na época, a moeda foi mantida sobrevalorizada para beneficiar a candidatura de FHC, que acabou reeleito.

"O Brasil, durante muitos anos, viveu subordinado a duas moedas que não eram reais. O real nunca valeu um dólar e o peso [moeda argentina que ficou atrelada ao dólar por lei] nunca valeu um dólar", disse Lula, ao comentar a relação do país no Mercosul.

"Portanto, a falta de iniciativa para mudar a política cambial no momento certo fez com que um país do tamanho do Brasil acumulasse durante muitos anos seguidos um déficit comercial sem precedentes na nossa história. E não foi por falta de aviso. Quando se trata de política econômica, muitos governantes não têm a coragem de fazer as mudanças no tempo certo se a política econômica estiver rendendo algum dividendo eleitoral", acrescentou o presidente.

Curiosamente, ele fez tal comentário poucos minutos depois de ter citado FHC como um de seus amigos que receberam acolhida no Chile durante o regime militar brasileiro (1964-85).

"O Chile tem significado especial para nós, brasileiros. No momento mais difícil da história política do Brasil, em que muitos jovens não puderam fazer política, foi o Chile que abriu suas portas e estendeu as mãos para que os brasileiros pudessem encontrar um pouco de tranqüilidade."

Lula continuou: "Está certo que não foi tão duradoura essa tranqüilidade, mas não deixou de ser importante. Por aqui [Chile], passaram o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, vários companheiros que fazem parte do governo, como meu assessor especial Marco Aurélio Garcia, que aqui lecionou por três anos, e tantos outros amigos".

Lula disse ainda que seu governo está "reconstruindo" o Mercosul. "Com todas as fragilidades que ainda temos, com os problemas e assimetrias entre as economias dos países, achamos que está sendo reconstruído do ponto de vista político."

Em diversos momentos, Lula defendeu a unidade do Mercosul como essencial para conseguir aumentar as exportações e para ser "tão duro quanto os Estados Unidos" ao defender seus interesses nas negociações comerciais. "É o que mais admiro neles."

Lula fez essas declarações durante o seminário "Como fazer negócios com o Brasil", ocorrido no início da tarde de hoje, no Sheraton Hotel em Santiago. Cerca de 400 empresários chilenos compareceram ao encontro.

A assessoria de comunicação do Instituto Fernando Henrique Cardoso, que intermedeia o contato entre os assessores do ex-presidente e os órgãos de imprensa, informou que ele não comenta as declarações de Lula.

 

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada