Menu
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
terça, 13 de abril de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Lula festeja partida no Haiti, mas esquerda reclama

18 Ago 2004 - 08h18
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemora hoje o jogo amistoso da seleção brasileira de futebol no Haiti, mas ainda persistem as críticas no Brasil à decisão de comandar a força de paz no país, inclusive da esquerda do PT.

O deputado Ivan Valente (PT-SP) disse ontem que o Brasil pode estar sendo usado como "mão de gato" dos interesses americanos no Haiti, isto é, fazendo a preparação do terreno político para que os americanos voltem a mandar no país, "como sempre". Na votação sobre o envio de tropas brasileiras à ilha, ele apresentou voto em separado contra a decisão.

O Brasil lidera a força de paz da ONU que tenta dar estabilidade ao país, cujo presidente Jean-Bertrand Aristide deixou o poder sob ataques rebeldes e acusando os EUA de estarem por trás de sua queda, em fevereiro. "Os EUA já estão no Iraque e no Afeganistão, é claro que eles querem ter uma mão de gato americana no Haiti. Ou alguém acredita que desistiram do país?", questionou.

Também a deputada Maninha (PT-DF), da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, tem ressalvas. Ela votou a favor da participação brasileira na força de paz, mas voltou ontem da Venezuela com dúvidas sobre o Haiti. "As ONGs, especialmente do Reino Unido e da Espanha, nos fizeram muitos questionamentos em Caracas sobre a participação do Brasil no Haiti", disse. Ela recebeu relatos de Gérard Pierre-Charles, da ONG Organização do Povo em Luta, do Haiti, dizendo que os seqüestros continuam e que há uma sensação crescente de que a "intervenção estrangeira impede o país de se resolver sozinho".

Para o ex-chanceler Celso Lafer, o jogo da seleção hoje é "a expressão da política externa como política do espetáculo", mas ele discorda das críticas à participação brasileira na força de paz. Para ele, dizer que o Brasil está servindo a interesses dos EUA é "excessivo".

Para o ministro da Defesa, embaixador José Viegas, o Brasil já participou de outras tropas de paz, em Moçambique, Angola e Timor Leste e está no Haiti para "ajudar a reconstrução do país".

A questão divide especialistas e políticos, principalmente porque é uma experiência prática de uma política externa que se diz "ativa e pró-ativa" e que busca ampliar não só a participação, mas a liderança do Brasil no mundo.

O objetivo prático é obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). Para quê? Resposta de Viegas: "Não queremos dar um passo maior que a perna, queremos participar dos mecanismos de decisão e contribuir, assim, para a paz, o diálogo, as ações concertadas na região e no mundo".
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo