Menu
SADER_FULL
domingo, 31 de maio de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Lula e Temer definem hoje nome de ministro da Agricultura

19 Mar 2007 - 08h00

A desistência de Odílio Balbinotti para o Ministério da Agricultura acirrou a disputa dentro do PMDB pelo cargo. Três dos 91 deputados federais do PMDB são os mais cotados: Tadeu Filippelli (DF), Waldemir Moka (MS) e Reinhold Stephanes (PR).

A decisão pode sair hoje em reunião do presidente nacional da legenda, Michel Temer, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Se Lula se limitar à lista apresentada pelo PMDB para o cargo, poderá enfrentar novo episódio Balbinotti, que desistiu da indicação anteontem, após suspeita de usar laranjas para obter empréstimo bancário.

Dois dos nomes sugeridos pelo PMDB -Fernando Diniz (MG) e Valdir Colatto- já foram alvos de investigações movidas pelo Ministério Público no Supremo Tribunal Federal por suspeitas de corrupção e falsidade ideológica, entre outras acusações.

Outros três - Filippelli, Stephanes e Moka - são ex-adversários ferrenhos dos petistas que agora procuram se aproximar de Lula para ter chance de levar a vaga. O derradeiro nome, Eunício Oliveira (CE), esbarra no pouco apoio na bancada federal para voltar a ser ministro - já ocupou a pasta das Comunicações no primeiro mandato de Lula.

Dos candidatos à vaga, quem se movimentou mais ostensivamente é Filippelli. Ex-inimigo do PT do Distrito Federal, ele tem hoje relação civilizada com caciques do partido, como o deputado Geraldo Magela (DF). Mas, na campanha de 2002 ao governo do DF, chegou a pedir no STF apuração de crime contra Magela. No final de semana, Filippelli procurou Temer e o líder da bancada peemedebista, Henrique Alves (RN), para sondar quais são suas chances. Ele tem três trunfos a seu favor: é do Centro-Oeste, uma região predominantemente agrícola; tem a simpatia de Arlindo Chinaglia (PT-SP), a quem ajudou na eleição para presidir a Câmara; e construiria uma ponte com o influente senador e ex-governador do DF, Joaquim Roriz.

Já Moka alega que as críticas a Lula são coisa do passado. Stephanes é respeitado em todos os partidos, mas foi ministro do governo FHC. A lista de processos que já passaram pelo STF envolvendo Colatto é extensa. Vai desde ações propostas pelo Ministério Público por suspeita de peculato (delito praticado por funcionário público em razão do cargo), de crime contra a fé pública, de falsidade ideológica e de favorecimento à sonegação fiscal.

Hoje, o sistema do Ministério da Fazenda não emite certidão negativa conjunta de débitos relativos a tributos federais e à dívida ativa da União para Colatto. Ou seja, ele tem impostos pendentes. A reportagem não conseguiu confirmar o resultado dos processos contra o deputado, dos quais a maioria voltou à Justiça de Santa Catarina, onde as ações tiveram origem.

No início dos anos 90, Fernando Diniz chegou a ser investigado em processo no STF por suspeitas de crime eleitoral e corrupção. Mas o caso foi arquivado.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

AUXÍLIO EMERGENCIAL
Mães menores de idade podem pedir auxílio emergencial, veja como
BONITO - MS - RESERVAS ANTECIPADAS
Em Bonito (MS), mergulho com cilindro no Rio Formoso, reserva antecipada até 50% de desconto, VEJA
600TÃO NA CONTA
Aniversariantes de janeiro podem transferir e sacar 2ª parcela dos R$ 600 neste sábado
FRIO, AR SECO E COVID-19
Frio, ar seco e covid-19, 'vassourinhas' do sistema respiratório ficam preguiçosas com o frio
ESCALADA DE ENTERROS
Brasil aproxima de 26 mil mortes por covid 19
ESTUPRO
Homem é preso em flagrante tentando estuprar mulher desacordada
AUXILIO EMERGENCIAL
A 2ª parcela do auxílio de R$ 600 foi cancelada? Saiba como resolver o problema
CORONAVIRUS NO BRASIL
Covid-19: Brasil passa dos 400 mil casos confirmados e 25 mil mortes
MORTES CONTINUAM
Brasil é o 2º país no mundo com infectados com o coronavirus
FRAUDE
URGENTE! 160 mil possíveis FRAUDES no auxílio emergencial de R$600