Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Lula e Alckmin distorcem dados de governos em propagandas

17 Ago 2006 - 08h39

Realizações das administrações Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) foram distorcidas no primeiro dia de propaganda política dos presidenciáveis, na última terça. Utilizados como cartões de visita nos programas, números e dados não batem com informações oficiais do Executivo e do Legislativo paulista, no caso do tucano.

Já o programa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva utilizou estimativas numa tentativa de animar o eleitor.

Lula, que em 2002 falava na criação de 10 milhões de empregos formais e informais, estampou no programa de ontem a marca de 6 milhões de novos empregos criados durante a sua administração.

Em maio deste ano, o Ministério do Trabalho previa chegar a 5 milhões de empregos formais até o fim do ano.

Segundo assessores de Lula, no programa foram considerados também empregos na economia informal, mas a campanha não informou como foi feita a estimativa, já que não há como fazer avaliações oficiais do mercado informal. A assessoria da campanha do presidente destacou que o número de novos postos formais de trabalho já ultrapassa 4 milhões.

Já o programa "Geraldo Alckmin Presidente" exagerou ao atribuir aos governos do PSDB 19 novos hospitais.

Na verdade, como afirma texto do portal do Governo do Estado de São Paulo, 14 unidades tiveram obras retomadas, uma foi estadualizada --portanto já estava pronta-- e outras três foram ampliadas. Apenas dois novos hospitais foram construídos, diz o texto oficial. São 20 unidades, e não 19.

Os novos hospitais estão entre as principais ações elencadas pelo governo no site. Faz parte da lista também a CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano), responsável pela construção de novas moradias.

A propaganda do tucano anteontem informou que seu governo foi responsável por 225 mil casas populares.

O texto do portal do governo informa que a administração já viabilizou 165.608 moradias.

Uma fábrica de vacinas do Instituto Butantan também foi utilizada como chamariz pela campanha de Alckmin.

O Ministério da Saúde, no entanto, também participou da viabilização da obra, um investimento de R$ 30 milhões, segundo a pasta.

A propaganda tucana citou ainda, entre as realizações do candidato, o programa Dose Certa, que distribui de graça 41 tipos de medicamentos.

Relatório do Tribunal de Contas do Estado apontou que das 2,3 milhões de unidades farmacêuticas previstas para distribuição em 2005, apenas 32,3% chegaram à população.

O governo, em justificativa enviada ao tribunal, atribuiu o problema aos seus fornecedores de matéria-prima, em razão do tsunami na Ásia.

Em nota, a campanha Alckmin reafirma os dados sobre os hospitais e as moradias e diz que o programa não negou a parceria na fábrica de vacinas.

Folha Online

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Julgue com justiça
LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos