Menu
SADER_FULL
sexta, 17 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Lista de desaparecidos na região serrana tem 541 nomes

26 Jan 2011 - 09h06Por Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff inaugura sua agenda internacional no próximo domingo (30) ao chegar a Buenos Aires (Argentina) por volta das 18h30. Na segunda-feira (31), Dilma cumprirá uma intenso dia de compromissos. Pela manhã, ela se reúne com a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, em seguida haverá uma reunião ampliada com ministros argentinos e brasileiros.

Antes do almoço no dia 31, Dilma e Cristina assinam uma série de atos de parceria e, por fim, fazem uma declaração conjunta à imprensa. Assessores da presidenta brasileira negociam para que ela consiga visitar o Museu da Memória – construído em homenagem às vítimas da ditadura da Argentina (1976-1983). Só em Buenos Aires, há três monumentos em homenagem às vítimas do período militar.

Na Argentina, Dilma consolidará o estilo da política externa do seu governo, baseado na valorização das relações regionais e da América do Sul, em especial. A ideia é negociar a ampliação das parcerias nas áreas de energia elétrica e nuclear, projetos de desenvolvimento social e tecnologia digital, assim como investimentos no setor de mineração.

A visita à Argentina será a primeira viagem da presidenta ao exterior dando início a uma série que inclui o Peru, em fevereiro, Paraguai e Uruguai, em março. Para a visita a Buenos Aires, Dilma estará acompanhada por uma comitiva de ministros e assessores de várias áreas – economia, desenvolvimento social, energia, tecnologia e relações exteriores.

Antes de voltar para o Brasil, no começo da noite de segunda-feira (31), Dilma deve visitar o Museu da Memória Aberta construído no antigo prédio da Escola de Mecânica Armada, onde funcionava um centro de tortura em Buenos Aires. O local era um dos mais temidos pelos críticos e resistentes à ditadura. Essa visita, porém, está apenas planejada e não confirmada.

Organizações de direitos humanos da Argentina estimam que cerca de 30 mil pessoas, incluindo jovens e crianças, desapareceram na ditadura. Um dos movimentos mais famosos no mundo é o liderado pelas Mães e Avós da Praça de Maio. São mulheres que defendem a punição dos envolvidos no período da ditadura e buscam informações sobre filhos e netos desaparecidos.

No último dia 10, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reuniu-se com a presidenta argentina e nove ministros. As autoridades do Ministério do Planejamento da Argentina informaram que os governos dos dois países devem aprovar propostas para avançar na construção do complexo hidrelétrico de Garabi – entre Corrientes (Argentina) e o estado do Rio Grande do Sul. A meta é que as obras comecem 2012 e futuramente sejam gerados 2,9 mil megawatts.

O comércio entre Brasil e Argentina é intenso e só em 2010 registrou US$ 32,9 bilhões – favoráveis ao Brasil. Desde o final do ano passado, os argentinos vivem um período conturbado da economia. Pouco antes da passagem do ano, houve registros de desabastecimento de combustíveis nos postos de gasolina e também falta de alguns tipos de mercadorias nas prateleiras dos supermercados, assim como ocorreram apagões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões
LIÇÕES DA BÍBLIA
Uma rua de mão dupla
LATROCINIO
Dupla invade casa, tranca mulher e crianças em quarto e mata homem degolado
SAQUE EMERGENCIAL
Caixa cria calendário para liberar nova rodada de dinheiro do FGTS
TRAGEDIA AÉREA
Acidente aéreo mata sócio da Raizen e outras seis pessoas