Menu
SADER_FULL
domingo, 27 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Leia o artigo “Quem faz pelo livro”, Bruno Peron Loureiro

1 Nov 2010 - 12h00Por

QUEM FAZ PELO LIVRO

 

Bruno Peron Loureiro

 

 

 

O livro ainda é bem de luxo e se lê muito pouco no Brasil. Para contrapesar este diagnóstico que persiste ao longo das décadas e denigre nossos reais dados da educação, governos e instituições não-governamentais têm proposto formas de acesso ao livro e incentivo à leitura.

 

Num país em que "todos querem tirar o seu", é procedente a afirmação de que as leis de mercado funcionam melhor que as políticas públicas para a democratização da leitura?

 

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) sustenta uma postura otimista ao fundamentar seus argumentos num estudo que indica queda de preços nalgumas categorias de livros: didáticos (24,5%), religiosos (38%), obras gerais (22,4%) e científicos, técnicos e profissionais (23,3%).

 

Outros representantes privados defendem que se tem produzido número maior de títulos, portanto o aumento da oferta barateia o preço do livro. Ignoram, porém, que este argumento é tão pífio a ponto de contradizer-se em que, se aumentar a compra de livros e consequentemente a demanda, o preço sobe. A bonança, assim, duraria pouco.

 

Aqueles que simplesmente associam o hábito saudável de leitura às oscilações de mercado, entretanto, não enxergam a indústria do livro além de um objeto a mais de ganância em vez de instrumento de enriquecimento cultural de um povo. O livro seria, então, uma "mercadoria".

 

O processo de produção do livro envolve escritores, editores, gráficas, indústrias de papel, livreiros, distribuidores, tradutores quando forem necessários, e outros que não cedem facilmente seu meio de sustento a políticas de democratizadores da cultura.

 

A indústria do livro corre um risco parecido ao crepúsculo da musical. Atualmente são poucos os que se atrevem a pagar tão caro por um disco original, pois albuns inteiros dispõem-se para aquisição gratuita na internet. O endereço http://www.torrentz.com é uma fonte interminável de discografias. Se o livro continuar caro, o leitor o copiará sem hesitação ou deixará de ler.

 

Não deixo de mencionar as iniciativas de digitalização de livros completos na internet, onde o leitor paga para ter acesso virtual à obra. Já há mecanismos que simulam a sensação de folheá-los. A medida dispensa a indústria de papel e pode baratear o acesso ao livro e à leitura.

 

As leis de mercado encarecem os libros em sebos no Brasil, uma vez que os mais raros estão sujeitos à oferta baixa, portanto preços abusivos. O Brasil deixa a desejar em comparação com alguns países latino-americanos, como Argentina e México, no que se refere ao barateamento do custo de livros e a facilidade de encontrar títulos, como os universitários.

 

Algumas especialidades acadêmicas exigem ainda a leitura de obras que não foram traduzidas ao português, porém a disponibilidade delas nas livrarias nacionais, ainda que sob encomenda, é rara, custosa e demorada.

 

As leis de mercado engrenam processos sobre os quais o Estado não atua nem deveria para não se expor ao risco do dirigismo: o que, quanto, como e onde ler. Aquelas, porém, não têm sido suficientemente convincentes a fim de resolver a pendência de falta de leitura no Brasil.

 

Deste modo, o acesso ao livro não se faz somente mediante a compra do "produto" pelo maior número possível de leitores, o que satisfaria o insidioso mercado, senão também com o aparelhamento e incentivo do uso de bibliotecas públicas e escolares.

 

Os empréstimos bibliotecários ensejam uma rotatividade maior dos livros sem o risco de desperdício em estantes privadas empoeiradas ou, como se flagrou uma vez numa cidade tupinica, obras de escritores nacionais renomados amontoadas numa caçamba de lixo.

 

É necessário frisar que boa parte dos jovens mudou os hábitos de leitura em vez de ler menos: mensagens instantâneas (como nos programas MSN, Twitter e Orkut) e "torpedos" nos celulares, cartazes publicitários distribuídos caoticamente pelas cidades e notícias que sobem em tempo real nas telas do computador transformaram a rotina de leitura. Talvez seja o momento de resgatar a importância do livro no processo de construção cidadã, digno de qualquer idade.

 

Os três níveis de governo (municipal, estadual e federal) há muito discutem sobre o tema, elaboram leis e lançam programas que incentivam a leitura no Brasil, como o Programa Nacional de Incentivo à Leitura (PROLER).

 

Em março de 2006, o Ministério da Cultura e o Ministério da Educação fizeram parceria para o lançamento do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), uma proposta ambiciosa. Seus objetivos principais têm sido nominalmente: democratização do acesso; fomento à leitura e à formação de mediadores; valorização da leitura e comunicação; desenvolvimento da economia do livro.

 

Esta última estratégia do PNLL indica que é difícil evadir a cadeia complexa de produção, distribuição e consumo do livro com todos os atores envolvidos e citados acima. A participação ativa do Estado e a cobrança dos cidadãos são imprescindíveis para, ao menos, regular o funcionamento deste mercado.

 

O livro deve ser facilmente acessível e associado ao lazer e não unicamente estudo e labor. Quem lê o que gosta, desfruta.

 

Se o acesso à leitura for divulgado nos lares e nas escolas, os jovens desenvolver-se-ão com este hábito saudável e formador da consciência.

 

Estado e mercado, em vez de se anularem, podem um suprir as carências do outro para a promoção do livro e a leitura.

 

 

 

Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-americanos por FFyL/UNAM.

 



http://www.brunoperon.com.br

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso