Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 9 de maio de 2021
Busca
Brasil

Leia o artigo “Presidente ou presidenta”?, por Edson Moraes

3 Nov 2010 - 12h10

“Presidente ou presidenta”?

Edson Moraes*

A escolha de uma mulher para comandar o País é de um ineditismo e de uma importância tão significativos que precisa ser bem dimensionada nas mais diversas formas e manifestações. Até (aliás, principalmente) na nomenclatura de gênero. Dilma Roussef é presidente ou presidenta? As duas formas são corretas. Mas, convenhamos, neste caso o artigo definido feminino “a” encarna com maior propriedade a referência de gênero. E o Dicionário Aurélio – a fonte das fontes – ensina: o feminino de presidente é presidenta.

O renomado jornalista e professor de Ensino Médio Hélio Consolaro afirma que a predominância do masculino na língua reflete o machismo. É o que explica, por exemplo, a rígida e hermética nomenclatura da hierarquia militar. As Forças Armadas e as polícias admitiram o ingresso da mulher em seus quadros, mas não admitem o ajuste da referência de gênero. No quartel não existe "soldada" ou "sargenta". É soldado, sargento... E os dicionários, em geral, seguem na mesma viela machistóide, assim como grande parte dos jornalistas e órgãos de imprensa.

Um exemplo atual do desprezo à dimensão do que representa a quebra de um tabu secular com a eleição de Dilma é a justificativa da Folha de S. Paulo para continuar chamando de presidente a mulher que chega ao poder máximo de um país ou de qualquer corporação. Veja o que a Folha empunha como argumento: "Em português, as duas formas estão corretas, mas a feminina é pouco usada, diz Thaís Nicoleti, consultora de língua portuguesa do Grupo Folha-UOL. Para Pasquale Cipro Neto, o uso da forma presidenta é desnecessário e causa estranheza".

Que me desculpem a consultora Nicoleti, o carismático professor Cipro Neto e a vetusta empresa dos Frias de Oliveira, mas ambos escorregaram para a vala (ou cova) rasa do machismo empedernido. Presidenta é um termo desnecessário? Causa estranheza? É forma feminina pouco usada? O que dizer então das trocentas expressões estrangeiras aportuguesadas e neologismos dos mais bizarros que invadem nossos canais de leitura e de cultura diariamente?

Por acaso um cidadão de poucas letras que não possua carro – algo cada vez mais raro no Brasil de hoje – sabe o que significa a palavra recall? Se este cidadão se socorrer de um dicionário da língua portuguesa não a encontrará. Mas é uma expressão utilizada normal e generosamente nos textos da Folha, sem grifo, sem aspas, sem ao menos uma tradução. Ah, certo, a Folha, seus consultores e suas fontes esgrimirão a desculpa: "Esta expressão é bastante utilizada, caiu no domínio público".

Porém, para cair no domínio público os vocábulos estrangeiros mais usuais e não aportuguesados – como recall, site e twitter, entre tantos – foram adotados pelos meios de comunicação. Se a Folha & companhia fizessem o mesmo com a flexão presidenta certamente os meios de comunicação estariam reconhecendo a real dimensão do que significa a eleição de uma mulher como chefe da Nação. E ainda ajudariam a fazer da língua portuguesa, dos textos jornalísticos e da leitura mecanismos mais eficientes de informação e de formação da sociedade de um país moderno, transformador e capaz de enfrentar e derrubar os muros das desigualdades e dos preconceitos.

Dilma é a primeira presidenta do País!

*Jornalista

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo