Menu
SADER_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Leia o artigo “O 12ºJogador: O Respeite”, por *Evelise Góes

26 Jan 2011 - 18h23

O 12º JOGADOR: O RESPEITO

*Evelise Góes

Já dizia o velho ditado popular “política, religião e futebol não se discutem”, pois bem, dos três temas o futebol ao se discutir é o que mais gera polêmica e confusão. É incontestável a paixão do brasileiro por ele, são famílias inteiras que vão a estádios uniformizados, que sofrem e choram por seus times, temos aqui o famoso patriotismo futebolístico.

Porém, há tempos os estádios de futebol deixaram de ser um lugar agradável e seguro para se ir com filhos, amigos e até mesmo sozinho em virtude do grande número de violência entre as “benditas” torcidas organizadas.

Em virtude disso foi criada a Lei 10.671/03 do Estatuto do Torcedor, alterada pela Lei 12.299/10 que o tornou mais rigoroso. A Lei prevê punições para torcedores, cambistas, torcidas organizadas, árbitros, a criminalização dos atos de violência, multa, banimento, prisão para quem invadir o campo ou praticar agressões num raio de 5 km dos estádios, estiver no trajeto do estádio, assim como quem portar qualquer tipo de instrumento que possa servir para praticar a violência.

Contudo, diante do fatídico e lamentável episódio do dia 27 de novembro, o óbito do torcedor do Cruzeiro que foi espancado até a morte por integrantes da torcida do Atlético-MG o que se constata é que a lei ainda é falha e vaga. A agressão não aconteceu dentro do estádio de futebol e os torcedores nem estavam ao redor de 05 km dele, não havia nenhum jogo entre as torcidas e como também não estavam a caminho de um.

Simplesmente estavam no mesmo lugar exercendo muito bem o artigo 5ª da Constituição Federal o direito de ir e vir, de escolha, da livre manifestação do pensando e a liberdade de expressão o que veio a resultar em toda a confusão.

Todos têm ciência de seus direitos, mas em certos casos não admitem que outros também os tenham iguais, principalmente quando o assunto é futebol.

Alguns torcedores têm tamanha devoção pelo seu time que gera o preconceito, as rivalidades e as incessantes brigas entre as torcidas e o que deveria ser um momento de lazer acaba se tornando um problema de repercussão além dos limites dos muros dos estádios e invadem a privacidade alheia de quem até não se dá ao luxo de não gostar/participar de futebol.

Nos próximos anos o Brasil estará sob os olhos do mundo por ser palco dos dois principais eventos esportivos, espera-se que até lá se criem leis mais rigorosas, amplas, coibidoras e que os mais de 190 milhões de técnicos coloque em campo o 12º jogador, o respeito.

[1] A autora é acadêmica do 5º semestre do curso de direito da Universidade Bandeirantes do Brasil. Graduada em Relações Públicas pela Universidade Metodista de São Paulo. Estagiária do escritório de advocacia Resina & Marcon Advogados Associados. Site: www.resinamarcon.com.br. Email: evelise@resinamarcon.com.br.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada