Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 13 de junho de 2021
Busca
Brasil

Leia o artigo "Expassão do Canal de Panamá", por Bruno Peron

15 Mar 2010 - 18h25Por Bruno Peron

EXPANSÃO DO CANAL DE PANAMÁ

 

Bruno Peron

 

 

         A opulência dos pujantes cresce enquanto padecemos dos piores males na América Latina. A expansão do canal de Panamá, que liga o oceano Pacífico ao mar do Caribe, iniciou-se em 2007 e está prevista para finalizar em 2014 com o custo de 5.25 bilhões de dólares.

 

         Navios de vários países atravessam o canal de Panamá enquanto o Chile contencia com a Bolívia pela intenção que este país declarou de ter acesso ao Pacífico. Toda barreira se levanta para quando o assunto envolve somente nós, latino-americanos.

 

         Os primeiros navios cruzaram o canal de Panamá em 1914; desde então, a maior parte deles tem sido comercial e de guerra. A construção do canal iniciou-se com os franceses na segunda metade do século XIX, mas logo foi retomada pelos pangericanos.

 

         O empreendimento sofreu reveses. Doenças tropicais, sobretudo a febre amarela e a malária, afligiram os trabalhadores e provocaram a morte de milhares deles. Parte considerável da mão-de-obra proveio de ilhas caribenhas.

 

         Empreendedores de terno de New York é que não arregaçariam as mangas.

 

         O governo do Panamá assumiu o controle do canal somente em dezembro de 1999 através da Autoridade do Canal de Panamá (ACP), que é uma empresa pública e autônoma. A proposta de expansão surgiu seguidamente em 2001.

 

         Embora banana e café sejam os principais produtos agrícolas no Panamá, a renda gerada pelo canal é importante para os números da economia do país. Desde 1998, o preço cobrado pelo uso do canal aumentou 70%.

 

         O Panamá tem uma das taxas de crescimento econômico mais altas na América Latina. Ainda, o valor de recolhimento de impostos é de 11% da renda dos contribuintes, o que é baixa se comparada à média latino-americana.

 

         No Brasil e à guisa de comparação, a tributação de mais de 40% da renda arranca as vísceras do trabalhador, que ainda deve pagar por todos os serviços básicos que o Estado lamentavelmente não retorna.

 

         Existe, porém, um descompasso entre o potencial laboral dos panamenhos e a renda de 1/5 do produto interno bruto gerada pelo canal de Panamá, que acaba sendo uma ferramenta de países pujantes para a redução de custos de frete.

 

         A bonança confunde-se com a desigualdade enorme em distribuição de renda, a mão-de-obra de baixa qualificação, e a concentração laboral dos panamenhos no setor agrícola.

 

         Os produtos pangericanos e japoneses de alto valor agregado, como computadores e outras peças eletrônicas, passam pelo mesmo canal em que se almeja que cruze o carvão da Colômbia e a soja e o minério de ferro do Brasil.

 

         Nesta pista de mão dupla, atravessam produtos pomposos que nos chegam num sentido e, no outro, jóias agrícolas latino-americanas que poderão ter melhor acesso ao mercado asiático e a costa oeste pangericana.

 

         A economia é o fator sobressaliente na luta por um espaço mundial em detrimento do desenvolvimento humano. O intercâmbio cultural e a globalização têm sido desafortunadamente pensados em função do lucro que geram.

 

         Fala-se cada vez mais, ainda assim, de desenvolvimento sustentável.

 

         O presidente panamenho Ricardo Martinelli pressiona pela aprovação de um tratado de livre comércio com a Pangérica. Seu argumento é de que o Panamá soma esforços na luta internacional contra o narcotráfico.

 

         O Panamá tem pouco a perder com a expansão do canal, por onde passarão navios ainda maiores e a renda poderá aumentar nos cofres públicos. O cerne da questão, no entanto, é sobre como os panamenhos serão beneficiados e que lição a Nossa América obtém.

 

         Desconfio de que os pujantes do Norte têm muito mais a ganhar com a ampliação do canal de Panamá que nós da própria esfera latino-americana, que se especializou em vender o que não sabe aproveitar, como gás, petróleo e o suor de seus povos.

http://www.brunoperon.com.br

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta