Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Leia o artigo "CULTURA E REDOMA DE ABSTRAÇÃO" por Bruno Peron

27 Set 2010 - 11h20Por Bruno Peron

A 13ª Conferência Ibero-Americana de Cultura comportou a união de boa vontade com propostas para a região. As reuniões do âmbito de cultura costumam limitar-se a formalidades e retóricas de burócratas que resignam ao orçamento exíguo que o Estado lhes destina, porém esta contou com experiências sólidas e perspectivas alvissareiras.

A música foi um dos temas mais debatidos neste encontro entre ministros de 18 países em Buenos Aires em 11 de setembro de 2010 a fim de discutir projetos de integração cultural ibero-americana e trocar experiências. Brasil, Cuba, Espanha e Portugal estiveram entre os países participantes, o que realça o interesse das ex-metrópoles ibéricas de acessar o circuito cultural latino-americano.

Há um processo de desagregação cultural na América Latina que se promove desde países mais desenvolvidos tecnicamente, como Estados Unidos e França. A indústria cultural destes países é tão madura que precisam hoje de muito menos incentivo estatal que na América Latina para sobreviver e crescer, como no cinema.

O setor cultural prospera quando as ações de governo e as da iniciativa privada complementam-se de modo a evitar que incida respectivamente sobre elas o dirigismo e a ganância excessiva sobre bens patrimoniais e simbólicos.

A 13ª Conferência é um dos eventos que levantam a cultura de sua mera posição como arte e entretenimento para que ela se torne fator de identidade regional e nacional, ferramenta de inclusão social e de impulso à economia.

O incentivo à criação de programas culturais e o pedido de maior orçamento para o setor foram algumas demandas na reunião. O Brasil apresentou seu projeto de alteração na lei de direitos autorais e alguns programas na área de música, museu e teatro.

Sugeriu-se o aumento da cooperação multilateral e discutiu-se a criação de um fundo cooperativo que estimule a integração cultural dos países mais pobres da região de tal forma a compensar as assimetrias.

A cultura tem conquistado um espaço importante nas discussões sobre políticas públicas, porém fora da redoma de abstração que a isolava de outros campos do desenvolvimento. O Mercosul Cultural e a Organização de Estados Ibero-Americanos têm favorecido relações úteis entre cultura e educação, cultura e economia, cultura e política.

É incompleto, portanto, o desenho de políticas públicas para a educação que desconsiderem a bagagem cultural dos jovens que crescem num mundo informatizado, ou o impacto das indústrias audiovisuais no produto interno bruto de um país ou um bloco de integração, ou o que motivaria um cidadão responsável a votar em candidatos lúdicos nas eleições de um Brasil em que se diz que "pior que tá não fica".

Somente o campo cultural permite discernir o chiste de coisa séria, uma vez que qualquer método científico seria incapaz de mergulhar nas inconstâncias da mente.

A América Latina já possui diversidade e valor cultural em excesso. O salto qualitativo que falta é a habilidade de transformar este potencial em ferramentas criativas de desenvolvimento, renda para seus cidadãos através do fortalecimento da economia cultural e impulso educativo. Sobre este ponto, o estigma de aprender deve transformar-se num prazer, um desejo de elevação espiritual e intelectual.

Nação que se constroi sob manto cultural que não lhe pertence é a expressão hodierna de uma colônia. O Brasil continuará nesta categoria enquanto tiver atores que forcem sotaque italiano em telenovela, serviços de "delivery" em vez de "entrega" de pizzas, e o filme estadunidense for confundido com O Cinema.

É com propósito sublime que a capital argentina hospedou a 13ª Conferência Ibero-Americana de Cultura. Finalmente a cultura ganha constância e destaque como tema de cooperação e integração entre os tomadores de decisão.

Um dos temas pendentes no Brasil é a viabilidade de acrescer R$3 na conta mensal de todos os usuários de internet em banda larga com o objetivo de repassar aos autores de obras audiovisuais o valor que deixam de arrecadar com a pirataria. Quantos destes internautas, porém, não baixam músicas nem filmes?

As reuniões de ministros de cultura, como a da 13ª Conferência, situam temas relevantes para o desenvolvimento das sociedades latino-americanas. Tomara que a tal da Carta Cultural Ibero-Americana, que prevê um plano de criação de projetos culturais, trace diretrizes que aposentem a retórica e adotem a ação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada