Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Leia o artigo "A Voz do Professor e a volta às Aulas" por Ademir G. Baena

4 Fev 2011 - 11h08Por

Com o inicio de mais um ano letivo, um assunto que deveria ser tratado com muita seriedade e carinho é a VOZ, que se faz presente nos processos de socialização humana, como um dos componentes da linguagem oral e da relação interpessoal, produzindo impactos na qualidade de vida das pessoas, verdadeiro Instrumento de Trabalho de grande parcela de profissionais economicamente ativos.

 

                        Dentre os profissionais que tem a VOZ como instrumento de trabalho, a categoria docente é a que mais apresentam prevalência de distúrbios vocais, as chamadas DISFONIAS, e outros problemas de saúde enfrentados pelo professor, em função do exercício da profissão. Além dos aspectos sociais e daqueles associados relacionados ao uso da voz, o trabalho docente expõe o professor a outros agentes agressores, como salas de aula com excesso de alunos, escolas próximas às ruas movimentadas obrigando o professor a competir com variados tipos de ruídos, que também provém do corredor, do pátio; sendo um agravante a localização na região central, salas com péssima acústica, pó de giz, poeira, podendo influenciar negativamente em seu ambiente de trabalho, sobretudo, obrigando o professor a fazer o uso da voz de forma abusiva. Este importante instrumento de trabalho, além de ser o veiculo de transmissão de idéias, conhecimentos e informações, também deve despertar confiança, sobriedade, autoridade e segurança, os quais irão influenciar diretamente no processo ensino-aprendizagem.

 

                        Mesmo sendo a VOZ, reconhecida como o principal Instrumento de Trabalho e, que o educador é o profissional que mais sofre com os problemas de voz, há ainda ausência de programas, projetos, que vise orientar e preparar melhor o professor, quanto ao uso adequado da voz. Em decorrência desta falta de orientação e preparo, aumenta ano a ano a incidência destes profissionais com problemas de voz. E também é grande o numero de pedidos de licença, afastamentos, readaptações de cargos e funções, ocasionando grande prejuízo ao município, ao estado e também prejudicando o aprendizado do aluno.

As disfunções vocais requerem ajuda especializada, se você sente falta de vontade de falar, sintomas como rouquidão, dores e ardor na “garganta”, é uma clara sinalização que algo não vai bem com o aparelho fonador. A este quadro podem se aliar a tensão nos ombros e no pescoço, além de secreção, cansaço. A persistência destes sintomas por mais de quinze dias, ou sua manifestação com regularidade ensejam a procura de um especialista, pois o problema pode ser mais grave do que uma simples irritação ou inflamação.

 

                        Nos últimos anos foram realizadas várias pesquisas a respeito da voz do professor, com o intuito de verificar a qualidade vocal destes profissionais, abaixo transcrevemos alguns destes resultados estatísticos para uma breve comparação e, também para uma reflexão.

 

Araraquara (SP): 50,6% de 83 professores apresentam vozes alteradas de acordo com DRAGONE (1993).

São Bernardo do Campo (SP): 59,9% de 44 professores foram considerados disfônicos em estudo conduzido por NAGANO E BEHLAU (1993).

Botucatu (SP): 35% de 80 professores apresentaram vozes alteradas e 75,5% tensão em região de pescoço (TENOR, 1997).

Rio de Janeiro (UFRJ): 74,62% de 130 professores relataram alteração vocal (GARCIA, 1997).

Curitiba (PUC-PR): 95; 13% de um universo de 164 professores nunca tiveram treinamento vocal; 81,71% não utilizam nenhuma técnica para melhorar sua voz e dicção e 71,95% dos professores estão preocupados em fazer cursos de aperfeiçoamento e técnicas vocais segundo (PLETSCH (1997)).

 

Na cidade de Dourados dados levantados durante a realização de cursos do Programa de Saúde Vocal “Viva Voz”, revelaram que 95% dos professores, de um total de 284, apresentaram pelo menos alguns sintomas, tais como: rouquidão, ardência, cansaço, sequidão, sensação de corpo estranho, falhas na voz, sendo que uma grande maioria, 72% foram considerados disfônicos. (Baena, 2000).

 

                        Tais pesquisas ou levantamento de dados revelam índices elevados de problemas vocais, pois a maioria dos professores desconhece o funcionamento do aparelho fonatório, as noções sobre saúde vocal, os cuidados gerais e básicos sobre como prevenir problemas de voz e quais as técnicas vocais que poderiam contribuir para um melhor desempenho vocal.

 

Procurar ajuda é muito importante

 

                        A demanda vocal excessiva, associada às condições ambientais, físicas e emocionais inadequadas, pode prejudicar o desempenho ocupacional deste importante profissional.

                        O professor que apresentar os sintomas, tais como: ardência, queimação na “garganta” cansaço ao falar, falhas na voz, rouquidão persistente entre outros, deverá procurar o fonoaudiólogo ou o otorrinolaringologista, que são os profissionais mais indicados para avaliar, orientar e tratar os problemas vocais.

 

Tratar a voz é tratar o indivíduo, conhecer sua própria voz é conhecer a si próprio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço