Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 24 de junho de 2021
Busca
Brasil

Leia a coluna Fala Sério "Eu Sou Perfeito!", por A. J. Rettenmaier

4 Mar 2010 - 18h15Por A. J. Rettenmaier

Eu Sou Perfeito!                                    

 

 

Pelo menos é o que muitos pensam que são, ou até mesmo tentam se convencer disto, e não admitindo que os outros possam ter suas imperfeições, fazem julgamentos apressados considerando falhas situações das quais não tem o menor conhecimento, e batem o martelo: “Condenado!”.

 

Eu sou perfeito!

 

Ao mais falho dos homens sempre é dada a possibilidade da redenção, e existe até um ditado que diz que nem Cristo o foi, mas para alguns juízes da perfeição, é só bater o martelo: “Condenado!”.

 

Certa vez ouvi de que as pessoas que gostam de julgar tem medo de seu próprio julgamento. Como julgar o que é perfeito?  É natural então que se tenha certeza de que jamais ouviremos o martelo batendo no “Eu me condeno!”.

 

Eu sou perfeito!

 

E quem não o for à luz desse julgamento, bata-se o martelo mesmo que sejam seus crimes comprovados só por evidências construídas na sombra da “perfeição” do juiz. E se não houver culpa alguma? Bem que se pode absolver depois, não é verdade? Mas o que importa é que haja sim, a condenação imediata. A absolvição posterior pode até não curar a mágoa da condenação. E daí? Ficar com a mágoa da condenação é problema de quem foi absolvido, ora!

 

Até nisto, eu sou perfeito!

 

Sim, porque se fui antes capaz de condenar e depois de absolver, eu sou perfeito!

 

Eu sou tão perfeito que não consigo ter sentimentos de culpa se cometi enganos ou me enganei porque quis e por isso mesmo, não consigo entender porque os que não o são como eu, possam ficar magoados ou ressentidos com meu martelo. Ora, estamos fazendo a justiça, antes tarde do que nunca, não? É difícil entender como então resolvem se afastar de nós, mesmo que aos poucos!

 

É preciso que entendam que não é nada fácil julgar só pelas evidências, por elas condenar e o mais difícil ainda rever o julgamento e precisar absolver.

 

Afinal de contas, provada inocência houve a absolvição.

 

É precisam que entendam que para nós, os perfeitos, todos são culpados até que provem o contrário!

 

Porque então não aproveitam a condenação inicial como uma lição porque continuaremos sempre prontos para condenar suas imperfeições, mesmo que não existam.

 

Claro!

 

Por que... Eu sou perfeito!   

 

Antonio Jorge Rettenmaier, Escritor, Cronista e Palestrante é membro da AGEI, Associação Gaúcha de Escritores Independentes. Esta coluna está em 70 jornais impressos e eletrônicos do Brasil e Exterior.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

assis (2) VEJA VÍDEO
Antes de morrer, vítima gravou áudio relatando que esposa e dois homens teriam realizado crime
CRIME PASSIONAL
Contadora é morta pelo ex-marido, que comete suicídio em seguida
100 PERDÃO
Mulher trai marido, não é perdoada e coloca fogo no próprio corpo como forma de se punir
TRAGÉDIA NO CAMPO
Pulverizador passa por cima da cabeça de agrônoma em fazenda
COPA AMÉRICA
Brasil leva gol antológico, mas vira sobre a Colômbia e se classifica em 1º lugar
APOSTAS NO BRASIL
É legal apostar em esportes no Brasil?
CRIME BRUTAL
Mulher é encontrada morta com rosas, uma aliança nas mãos e frase cruel escrita na testa
TRAGEDIA
Casal é encontrado morto no banheiro com o chuveiro ligado
VEJA VÍDEO
Servidora não deixa lençol sujar com sangue de bandido e viraliza na internet
LUTO NA TV
Apresentador do Balanço Geral morre vítima da covid