Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 22 de fevereiro de 2020
SADER_FULL
Busca
Brasil

Lei da Ficha Limpa vale já e Dagoberto pode ser impugnado

11 Jun 2010 - 13h52

A lei Ficha Limpa vale para o pleito deste ano. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu ontem à noite, por 6 votos a 1, que os candidatos com condenações graves em órgão colegiado não poderão concorrer nas eleições de outubro. A maioria dos ministros acompanhou o voto do relator Hamilton Carvalhido, que considerou que o período eleitoral começa apenas após o registro de candidaturas, no dia 6 de julho. Com isso, em Mato Grosso do Sul, por exemplo, em razão de haver processo contra o deputado federal Dagoberto Nogueira Filho (PDT), sua candidatura ao Senado na chapa encabeçada por Zeca do PT pode acabar sendo impugnada.

O presidente da corte, ministro Ricardo Lewandowski, citou vários casos julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para convencer os demais ministros que, segundo a jurisprudência da Suprema Corte, as mudanças na lei de inelegibilidade não afetam o processo eleitoral, e, portanto, não precisam esperar um ano para serem aplicadas. “Esta lei homenageia um princípios que representa a própria base do princípio republicano, que é a moralidade no âmbito administrativo”, disse Lewandowski.

A vice-procuradora Eleitoral, Sandra Cureau, também pesou a importância da moralidade e da grande mobilização social em prol da aprovação do projeto. “Não há como sustentar que essas normas tenham que ser preteridas para eleições futuras. Seria uma grande decepção para o povo brasileiro se mais uma vez não se conseguisse que os candidatos sejam pessoas idôneas”, afirmou.

Outro argumento usado pelos ministros favoráveis à aplicação da lei é o histórico recente de condenações de candidatos por propaganda extemporânea pelo próprio TSE. “Se os punimos por fazerem propaganda antes do processo eleitoral, é porque o processo eleitoral não começou. Temos que ter o mesmo entendimento em relação a essa lei”, disse a ministra Carmen Lúcia. O mesmo argumento foi utilizado depois pelo ministro Aldir Passarinho Junior.

Apesar de terem votado a favor da aplicação da lei em 2010, os ministros Arnaldo Versiani e Marcelo Ribeiro fizeram várias ressalvas. “O processo eleitoral se inicia com o alistamento dos eleitores e termina depois da prestação de contas. As regras começam um ano antes. Eu acho que o Artigo 16 da Constituição se aplica para qualquer legislação que trate desse assunto”, disse Versiani. Os ministros só votaram favoravelmente à aplicação da lei para não contrariar a jurisprudência do STF.

Voto vencido, o ministro Marco Aurélio disse que o tribunal fica em situação delicada se agir contra o anseio da sociedade. “Quando há consonância entre o que decidimos e o que a sociedade quer, saímos aplaudidos. Senão, somos execrados”, disse o ministro. Para ele, o período de convenções, que começou hoje, já faz parte do processo eleitoral.


Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO NO MS
Descubra a beleza das praias de água doce para curtir o Carnaval em MS
CARNAVAL 2020
Por WhatsApp, Witzel convida Bolsonaro para assistir a desfiles do carnaval no seu camarote
DICAS DE SEGURANÇA
Saia de viagem neste feriado e deixe sua casa segura com as dicas da Polícia Civil
GUGU LIBERATO
Defesa diz que Gugu Liberato deu 500 mil dólares a Rose Miriam e mansão de R$ 6 mi
LUTO NO CINEMA
Morre aos 83 anos José Mojica Marins, o lendário Zé do Caixão
FAMOSIDADES
Pós-parto: Andressa Miranda faz revelações sobre sexo com Thammy Miranda
CONCURSO DO EXERCITO
Concurso Exército: Saiu o edital com 1.100 vagas para nível médio
BOLSONARO
Bolsonaro diz que imprensa poderia ser um partido: ''Ia ficar à esquerda''
FAMOSOS
Filho de Leonardo, João Guilherme recebe crítica e ironiza
TRAFICO DE DROGAS
Mulher é flagrada com 240 gramas de fumo na vagina para entrar na cadeia