Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 13 de junho de 2021
Busca
Brasil

Justiça Federal suspende processo seletivo da Marinha

21 Jan 2010 - 17h00Por Dourados Agora


A Justiça Federal suspendeu os processos seletivos regulados pelos avisos de convocação nº 002/2009, 003/2009 e 004/2009, do Comando do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil, em Corumbá, Mato Grosso do Sul. A suspensão tem caráter cautelar e atende pedido do Ministério Público Federal (MPF), que ingressou com duas ações judiciais contra a seleção. O mérito das ações, em que o MPF pede a anulação dos processos seletivos e da fase de cadastramento, na qual foram analisados os currículos dos candidatos, ainda será julgado.


O processo seletivo visa contratar militares temporários nas áreas de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Informática, Serviço Social, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica, Engenharia Naval, Psicologia e Comunicação Social. A incorporação dos aprovados deveria ocorrer ontem (18), mas foi suspensa até que a União e a Marinha se pronunciem sobre o pedido de liminar.


Irregularidades


Com relação às regras dos processos seletivos, previstos nos avisos de convocação, o MPF constatou que a Marinha utilizou uma forma de avaliação com critérios "vagos e puramente subjetivos", sem adotar nenhum tipo de prova escrita, em violação ao artigo 37, inciso dois, da Constituição Federal. A seleção constou de entrevista, inspeção de saúde e verificação de dados biográficos, com base em análise de idoneidade moral e bons antecedentes, sem mencionar quais os critérios objetivos desses aspectos. Para essa última etapa não havia possibilidade de recurso.


Foram chamados para a entrevista os candidatos com maior pontuação na verificação de documentos que demonstrassem sua experiência profissional e formação complementar, realizada na fase de cadastramento. Os critérios para avaliação da documentação dos candidatos foram sendo estabelecidos durante o procedimento de análise dos documentos apresentados, não sendo de conhecimento prévio dos candidatos.

Para o MPF, os conceitos empregados nos itens avaliados foram imprecisos e nada razoáveis. "Nesse ponto, a avaliação é tão absurda que a comprovação do efetivo exercício da advocacia por um ano e cinco meses recebeu três pontos, enquanto que para um estágio extracurricular de mesma duração foram atribuídos dez pontos".


O MPF constatou ainda que, para alguns candidatos da área de Direito não foram aceitas certidões de realização de estágio emitidas por órgãos do Judiciário e do Ministério Público. Para outros, esses mesmos documentos foram aceitos. Declarações de estágio firmadas por escritórios de advocacia, não foram aceitas, à exceção de uma. A comprovação de exercício da advocacia foi aceita, para uma das candidatas, sem que houvesse petições por ela assinadas em um dos períodos considerados. Uma professora de Direito não teve reconhecida a atuação como "exercício de atividade profissional na área pretendida", situação aceita nos certames da Magistratura e do Ministério Público.


Também houve comprovação de vínculo conjugal entre uma das candidatas, aprovada nas primeiras colocações, e o oficial militar que presidia inicialmente a Comissão de Seleção Especial. A presidente posteriormente designada era subordinada ao anterior, o que, para o MPF, "induz nos candidatos incerteza acerca da imparcialidade dos membros da Comissão e da lisura do certame".


Processo seletivo


Em 29 de outubro de 2009 foi publicado o aviso de convocação nº 002/2009, do Comando do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil, a fim de selecionar voluntários para a prestação do Serviço Militar Voluntário (SMV), como Oficial de 2ª Classe da Reserva da Marinha (RM2), para o exercício de atividades profissionais nas áreas de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Informática, Serviço Social, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica e Engenharia Naval.


Com o mesmo objetivo, foram publicados os avisos de convocação n° 003/2009 e 004/2009, o primeiro em 24 de novembro de 2009, para a habilitação em Psicologia, e o segundo em três de dezembro de 2009, para a formação em Comunicação Social. Os candidatos aprovados na seleção ingressarão em estágio de formação técnica, após o que serão incorporados como Guardas-Marinha.


Como militares temporários eles têm direito a remuneração, porte de arma, pensão e fardamento, atuando como agentes estatais. A prestação do serviço terá duração inicial de um ano, podendo ser prorrogado por mais sete vezes, num total possível de oito anos de vínculo com a Marinha do Brasil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta