Menu
SADER_FULL
domingo, 9 de maio de 2021
Busca
Brasil

Justiça deverá decidir quem será o prefeito de Dourados

1 Set 2010 - 13h14Por Dourados Informa

Com as prisões do prefeito, vice-prefeito, presidente da Câmara Municipal e vice-presidente da Câmara, deverá ficar para o Poder Judiciário a decisão sobre quem será chefe do Poder Executivo em Dourados.

Segundo maior município de Mato Grosso do Sul, com 189.762 habitantes, a cidade amanheceu nesta quarta-feira sobre o impacto da Operação Uragano (furacão em italiano), que prendeu o prefeito Ari Artuzi (PDT), o vice Carlinhos Cantor (DEM), o presidente da Câmara, Sidlei Alves (DEM) e outras 26 pessoas. Os mandados são de prisão temporária, portanto valem por cinco dias.

De acordo com o advogado André Borges, a situação enfrentada na cidade é tão excepcional que não há previsão legal de sucessão no comando da prefeitura. Ele enfatiza que se a prisão durar apenas cinco dias, o mais provável é que o município fique sem prefeito neste período.

Contudo, caso a prisão temporária seja prorrogada ou convertida em prisão preventiva, o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), que autorizou a prisão de Artuzi, deve ser acionado. “Os caminhos mais prováveis é a nomeação de um dos vereadores que não foi preso ou que o tribunal defina um interventor”, explica.

Borges salienta que a situação nem chega a ser prevista na maioria das leis orgânicas dos municípios brasileiros. Em Dourados, a lei orgânica prevê que o vice assuma, senão, o cargo de prefeito terá que ser assumido pelo presidente da Câmara ou seu vice. Contudo, o vice-presidente da Câmara, José Carlos de Souza (PDSB), o “Zezinho da Farmácia”, também foi preso.

Em Dourados, circula a informação de que o diretor do Fórum, juiz Eduardo Machado Rocha pode assumir a prefeitura ou nomear uma junta administrativa.

Juiz-prefeito - Em 2007, em Cassilândia, o juiz Silvio Prado chegou a assumir o comando da prefeitura após prefeito e vereadores ter sido afastados após denúncias de desvio de dinheiro público. À época, a posse do magistrado foi determinada pela justiça.

Furacão - A ação da PF em Dourados investiga direcionamento de licitações por meio de corrupção de servidores públicos e agentes políticos. De acordo com a PF, o prefeito Ari Artuzi chefiava o esquema.

As fraudes consistiam no direcionamento de licitações por meio de corrupção de servidores públicos e agentes políticos. Os acordos fechados com as empresas escolhidas ilicitamente rendiam 10% do valor do contrato.

Os valores arrecadados serviam para o pagamento de diversos vereadores de Dourados, para caixa de campanha e compra de bens pessoais do prefeito. As investigações começaram em maio deste ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo