Menu
SADER_FULL
domingo, 9 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
Brasil

Justiça condena laboratório por falha de anticoncepcional

9 Mai 2007 - 17h14

O laboratório Schering do Brasil terá de indenizar em R$ 60 mil a consumidora Ildete Dias da Silva, que engravidou utilizando o anticoncepcional Diane 35. Segundo o Superior Tribunal de Justiça (STJ), a cartela do medicamento tinha um comprimido a menos, o que deixou de garantir a eficácia do produto.

A Schering informou, por meio de nota, que vai analisar a possibilidade de recurso contra a decisão judicial. O laboratório ressalta que o produto é comercializado em mais de 90 países e tem "eficácia e segurança comprovadas por estudos e pesquisas científicas". 

A assessoria do STJ afirma que Ildete começou a usar a pílula em 1996 por indicação médica. Meses depois, descobriu que estava grávida. Na mesma época, a imprensa noticiou problemas envolvendo diversos contraceptivos fabricados pelo laboratório - incluindo a falta de uma drágea em um lote do Diane 35.


A consumidora entrou com ação de reparação por danos materiais e pediu o ressarcimento das despesas médicas com a gravidez, o pagamento de plano de saúde à gestante, a constituição de enxoval e custos de alimentação da criança, além de danos morais. O filho de Ildete morreu durante o parto, segundo o processo. 
 

 Uso incorreto

Apesar de admitir que fabricou lote do anticoncepcional com um comprimido a menos, a Schering apresentou a contestação, alegando errônea utilização do produto. Outro motivo sustentado pelo laboratório foi de que Ildete só havia apresentado uma receita médica expedida dois anos antes do problema, o que não poderia ser considerado como prova efetiva de que ela utilizara o medicamento. 

Em primeira instância, a Justiça considerou improcedentes os pedidos de ressarcimento e indenização diante da ausência de comprovação da ingestão do medicamento.

Na apelação ao Tribunal de Justiça de São Paulo, a consumidora teve uma vitória parcial. A Justiça entendeu que havia relação de consumo e, por essa razão, a responsabilidade é do fornecedor. A Schering foi condenada a compensar a usuária por danos morais no valor de R$ 60 mil.
 

 Recurso

A Schering entrou com recurso especial no STJ alegando que nenhum anticoncepcional possui 100% de eficácia e que a consumidora deveria ter se precavido melhor ou se abstido de práticas sexuais se pretendia evitar a gravidez. 

A ministra Nancy Andrighi, do STJ, considerou que o medicamento não apresentou os resultados esperados. De acordo com o STJ, quanto à alegação de falta de prova, a ministra entendeu que é "uma postura desajustada à realidade esperar que a consumidora guarde todas as notas fiscais e caixas de produtos que adquire".

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE NO MS
JBS oferece 600 vagas de emprego em 6 cidades de MS
VACINA COVID 19
Bolsonaro diz que vacina contra covid deverá estar disponível em dezembro
FALSIFICAÇÃO
Nota falsa de R$ 200 começa a circular
REABERTURA DO COMÉRCIO
Brasil e Paraguai podem reabrir comércio na fronteira em 10 dias, diz ministro
REINFECÇÃO EM ALERTA
Novo coronavírus tem segundas novas ondas de reinfecção e acendem sinal de alerta
FÁTIMA DO SUL - DICA CIA DO BICHO
Saiba o que são rações terapêuticas, Cia do Bicho destaca vários tipos, confira
BRASIL - 96.326 MORTES
Brasil tem 2.817.473 casos de Covid-19, indica consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
EXPLOSÃO EM BEIRUTE
Libanês se emociona e diz: Parecia uma bomba atômica, que acabou com tudo
BORA PRA BONITO - MS
Crie laços com a natureza em Bonito, MS!
LUTO NO CIRCO
Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus