Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de janeiro de 2021
Busca
DOURADOS

Justiça bloqueia bens de Tetila, Ari Artuzi e família Uemura

A justiça decretou a indisponibilidade dos bens Laerte Tetila (PT) e Ari Artuzi, e da família Uemura.

4 Abr 2011 - 15h50Por Campo Grande News

A justiça decretou na última sexta-feira a indisponibilidade dos bens dos ex-prefeitos de Dourados, Laerte Tetila (PT) e Ari Artuzi (sem partido), e de integrantes da família Uemura.

A liminar do juiz da 2ª Vara Cível de Dourados, José Carlos de Paula Coelho e Souza, é relativa ao processo sobre o arrendamento do Hospital Santa Rosa. A denúncia de improbidade administrativa foi feita em 2009 pelo MPE (Ministério Público Estadual), como desdobramento da operação Owari, realizada pela PF (Polícia Federal).

A operação revelou esquema de fraude envolvendo o grupo empresarial Uemura e prefeituras. Em 2007, o Hospital Evangélico parou de atender pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e a prefeitura de Dourados arrendou o hospital Santa Rosa, de propriedade da família Uemura. Hoje, a unidade tem o nome de Hospital da Mulher.

A denúncia aponta que o processo foi fraudulento, causando prejuízo de R$ 1,1 milhão aos cofres públicos. Gravações feitas pela PF mostram a negociação entre Eduardo Takashi Uemura, filho de Sizuo Umeura, e André Luiz Freitas Tetila, filho do então prefeito e hoje deputado estadual Laerte Tetila.

Eduardo foi apontado como articulador do arrendamento, enquanto André “facilitou sobremaneira os contatos entre o Município e os Uemura”. O MPE reata uma extensa lista de irregularidades: dispensa indevida de licitação, simulação de acervo, avaliações fraudulentas, funcionários contratados pela prefeitura sem concurso público e valor do aluguel superestimado (avaliado em R$ 45 mil mensais quando o valor de mercado seria R$ 18.506,83).

Ex-secretário de Saúde, João Paulo Barcellos Esteves foi acusado de receber pagamento mensal de R$ 15 mil de Sizuo Uemura devido ao sucesso no arrendamento do hospital.

Bloqueados – A justiça determinou a indisponibilidade dos bens em nome dos réus, e, especificamente a indisponibilidade do imóvel Hospital e Maternidade Santa Rosa (Hospital da Mulher ou por outro nome em que ele estiver na atualidade), dos veículos Chevrolet Trafic e Fiat Pálio Fire Flex, o bloqueio de ativos financeiros existentes em nome dos réus em instituições do Sistema Financeiro Nacional.

São réus na ação civil pública: José Laerte Cecílio Tetila, Sizuo Uemura Júnior, Eduardo Takashi Uemura, Helena Masako Tsumori Uemura, Ari Valdecir Artuzi, Dorval Luiz Martins Pagnoncelli, Sizuo Uemura, Hospital e Maternidade Santa Rosa Ltda, Wilson Cezar Medeiros Alves, Roosewelt Granja, Sandro Petry Laureano Leme, Rodrigo Boschetti Medeiros, Evandro Silva Rosa, André Luiz Freitas Tetila, João Paulo Barcellos Esteves, Anary Eiko Tsunori Uemura Fujinaka, Ana Claudia Barzotto, Ayrton Romero de Castro, Direcional Consultoria em Projetos e Pesquisa Ltda.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro