Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 4 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Jovem não tinha atestado médico para fazer bronzeamento

30 Mar 2007 - 05h38
A estudante de hotelaria Andréa Santos Lindner, de 34 anos, que ficou com 98% do corpo queimado depois de se submeter a sessões de bronzeamento artificial, não tinha autorização médica para o tratamento. O atestado é uma das exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Marly Machado, dona da clínica, disse aos policiais que interditaram a câmara de bronzeamento na quarta-feira que desconhecia essa regra da Anvisa", afirmou o delegado Marcos Cipriano, da Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Saúde Pública (DRCCSP). "É difícil acreditar que essas normas são ignoradas por quem trabalha no ramo".

A Anvisa exige o atestado médico porque a exposição aos raios ultravioletas pode desencadear doenças, como câncer de pele. O uso de alguns tipos de medicamentos, seguido de exposição à radiação, também pode provocar reações.

Nesta quinta-feira, 29, durante vistoria da Vigilância Sanitária municipal, Marly deu outra versão aos técnicos da prefeitura. "Ela disse que o atestado é apresentado e devolvido à cliente", afirmou a diretora da Vigilância Sanitária em Serviços e Produtos para Saúde, Juliane Musacchio.

A esteticista deixou de apresentar outros documentos, como o termo de ciência dos riscos, que os clientes devem assinar, e o cadastro com duração e intervalo entre as sessões. O médico responsável pelo Centro de Estética Marly Machado foi intimado para comparecer à Vigilância Sanitária e entregar os documentos. A clínica continua parcialmente interditada.

Sessões

O marido de Andréa, o consultor de empresas Antônio Gadelha, informou que ela passou por duas sessões, nos dias 14 e 15 de março, o que é proibido pela Anvisa, que exige intervalo de 48 horas entre as aplicações.

Na quarta-feira, o advogado Diogo Souza disse que a estudante só foi atendida na clínica no dia 14 e informou que havia solicitado fitas de segurança para comprovar que Andréa não esteve lá nos dias posteriores. Souza deixou o caso. Nesta quinta Marly deu outra versão à Vigilância Sanitária municipal - apresentou uma agenda de marcação, em que constava o nome de Andréa nos dias 14 e 16.

"Não recebi nenhuma fita de segurança. Marly deveria prestar depoimento hoje (ontem), mas o novo advogado pediu um prazo. Não sei qual será a nova linha de defesa", afirmou Cipriano. O delegado desencadeou ontem a Operação Narciso. Duas equipes da DRCCSP vistoriaram clínicas e consultórios de estética.

Não foram encontradas irregularidades. A operação prossegue hoje. Andréa continua internada em estado grave no Hospital Quinta D´Or, onde chegou há 14 dias. A estudante respira por aparelhos e está em coma induzido para que possa suportar a dor.

O Estado procurou Marly Machado e seu novo advogado. No centro de estética, a atendente disse que a proprietária não falaria sobre o caso e também não informou o nome do novo advogado que assumiu o caso.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTA PELA VIDA
Cantora gospel que morreu por coronavírus, fez vaquinha para pagar tratamento
ELEIÇÕES 2020
Vai ter eleição, TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano
BOA NOTICIA
Auxílio emergencial deve ser estendido em mais duas parcelas de R$ 300
TRAGEDIA
Empregada vai passear com cachorro, deixa filho com patroa e menino morre ao cair de prédio
FUTEBOL
Clubes de futebol brasileiros se unem contra homofobia
ASSUSTADOR E REAL NO BRASIL
Com uma morte por minuto, Brasil registra 1.349 mortes por coronavírus nas últimas 24h, novo recorde
JULGAMENTO
TSE julga se cassa Bolsonaro e vice a partir de terça
AUXILIO DOENÇA
Como pedir concessão e prorrogação do auxílio-doença durante pandemia
1º CASO NO BRASIL
Paciente recuperada de coronavírus no Piauí volta a ter teste positivo
VITIMAS DA COVID 19
Mãe, avó e irmão de jovem morrem por covid-19: 'essa doença é horrível'