Menu
SADER_FULL
sexta, 5 de março de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Japão vive pior crise depois da 2ª Guerra Mundial

14 Mar 2011 - 07h43Por Band

O premiê japonês, Naoto Kan, disse que o país vive sua crise mais grave desde a Segunda Guerra Mundial, após um terremoto seguido por um tsunami.

Kan também lembrou que a situação na usina nuclear de Fukushima 1, onde uma explosão ocorreu no sábado, ainda é grave. Com a paralisação de outras unidades após o tremor, o Japão vive cortes de energia.

Segundo a ONG francesa Rede Sair do Nuclear (Sortir du nucléaire), o combustível usado na usina é MOX, uma mistura de óxidos considerada extremamente tóxica. Ainda de acordo com a entidade, a substância, obtida a partir de urânio e plutônio de dejetos nucleares reciclados, pode causar câncer de pulmão a partir da inalação.

O governo japonês advertiu neste domingo para a possibilidade de explosão no reator nuclear número 3 de Fukushima, por conta de um acúmulo de hidrogênio.

Mais cedo, a empresa operadora da unidade, Tokyo Electric Power, chegou a anunciar que o sistema de resfriamento no reator 3 não funcionou como o previsto e a pressão está subindo levemente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
RIGOR DA LEI
Cidade vai multar em até R$ 60 mil quem descumprir decreto de combate ao Covid-19