Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 11 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Jadel Gregório recoloca o Brasil na decisão do salto triplo

21 Ago 2004 - 09h25
O romeno Marian Oprea já havia saltado 17,44 m, uma boa marca, quando Jadel Gregório foi à pista. O brasileiro pediu palmas ao público para marcar o passo até a área de salto. Correu com vontade e atingiu 17,20 m, distância suficiente para fazê-lo abrir mão das duas outras tentativas que ainda tinha direito.

Ao final da disputa, havia feito a quinta melhor marca, garantindo lugar na final de domingo. Depois de 24 anos, um brasileiro volta a decidir o ouro no salto triplo. Desde João do Pulo, bronze em Moscou-80, isso não acontecia.

"Não saltei bem, mas o importante era ir à final. Lá, espero encaixar um bom salto", avaliou.

O paranaense retoma a tradição do país na prova. Adhemar Ferreira da Silva, Nelson Prudêncio e João do Pulo ganharam seis medalhas, metade do total do Brasil no atletismo olímpico. O trio obteve dois ouros, uma prata e três bronzes. Adhemar é o único bicampeão olímpico do país.

Para o país voltar ao lugar mais alto do pódio, porém, Jadel, 23, terá que superar o favoritismo do sueco Christian Olsson, 24, que, assim como o brasileiro, fez só um salto nesta sexta-feira. Mas, com os 17,68 m da primeira tentativa, conseguiu a melhor marca das eliminatórias.

"O Jadel é um grande adversário. Ele segurou um pouco, mas com certeza vai disputar medalha", afirmou o sueco.

Assim como Jadel e Olsson, mais três atletas pularam apenas uma vez: Oprea, o inglês Phillips Idowu e o cubano Yoandri Betanzos. A grande ausência na final será o norte-americano Melvin Lister. O saltador havia obtido o melhor salto do ano --17,78 m, no mês passado. Nesta sexta, porém, não passou de um medíocre 16,64 m.

Sem Lister, Jadel passa a ser o dono da melhor marca do ano entre os finalistas. Ele saltou 17,72 m em junho, no Troféu Brasil, em São Paulo. O melhor salto de Olsson em 2004 foi o desta sexta.

Outro atleta bem cotado, o bahamense Leevan Sands, medalha de bronze no Mundial de Paris-03, também não atingiu o índice de excelência de 17 metros.

Apesar dessas ausências, Jadel crê que a disputa será acirrada.

"Acredito que a final será de altíssimo nível. Pode até haver quebra de recorde", afirmou Jadel, referindo-se à marca do britânico Jonathan Edwards, de 18,29 m.

"Não tenho dúvida de que tenho habilidade para saltar mais de 18 m. Não posso dizer quando isso vai ocorrer. Mas um dia chegarei lá. Por que não em Atenas?"

 

Folha Online


Deixe seu Comentário

Leia Também

MAIS UM
Vírus com potencial pandêmico é detectado pela Fiocruz no Paraná
VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado
NÚMEROS DA ÚLTIMAS 24H
Os números da covid-19 no Brasil, atualizados diariamente
RECUPERAÇÃO
Dinho Ouro Preto revela sequelas após covid-19, ele já teve gripe suína e dengue
SOS SAUDE
Em 24 horas, nove pessoas morrem em casa pela covid-19 sem atendimento médico
BORA PRA BONITO - MS???
Bonito (MS) irá operar com tarifa de baixa temporada até 18 de dezembro e descontos de até 60%