Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 23 de abril de 2021
Busca
Brasil

Isenção da Cofins é um avanço ao agronegócio, diz Moka

8 Jul 2004 - 13h03
 

O deputado federal Waldemir Moka (PMDB-MS), ex-presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural da Câmara dos Deputados, considerou “muito boa” a aprovação, ontem, da medida provisória que isenta da Cofins vários produtos da agroindústria. O deputado, que participou de todas as negociações com o governo federal, acredita que os custos de produção do setor serão reduzidos a partir do momento em que a medida entrar em vigor, mas, antes disso, a matéria terá que passar pelo Senado e só depois chegar ao Palácio do Planalto.

Moka lembra que os avanços conquistados pelo agronegócio não podem parar nos termos da MP. Segundo ele, o Governo deve dar mais atenção ao setor, que tem sustentado a pauta de exportações brasileiras. “Avançou-se bem, mas não podemos parar, pois o setor precisa reduzir seus custos para aumentar a competitividade”, diz o parlamentar. Entre as medidas aprovadas pela Câmara dos Deputados está a redução a zero da alíquota para rações balanceadas, concentrados e suplementos minerais usados na alimentação animal. Essa mudança, segundo Moka, só foi possível graças à mobilização da bancada de deputados que apóiam o setor rural na Câmara.

“A movimentação foi forte no sentido de fazer com que a maioria do Plenário aprovasse as medidas em benefício do campo”. Segundo Moka, a bancada do PMDB foi liberada para votar a emenda apresentada pelo PFL, o que levou o Governo a ser derrotado. “Pedi ao líder do meu partido (José Borba-PR) para liberar os deputados, e isso aconteceu, felizmente”, comemora Moka. Outra mudança feita na MP é a extensão do crédito presumido da Cofins, que evitará o aumento da alíquota do imposto no sistema não-cumulativo.

A idéia da proposta foi reduzir as perdas dos produtores com o aumento da alíquota da Cofins, que passou de 3,65% para 9,26%. Os parlamentares conseguiram aprovar ainda a extensão do crédito presumido de 60% para produtos de origem animal e de 35% para os vegetais. Alguns produtos da cesta básica, como arroz, o feijão e a farinha de mandioca também ficarão isentos do Pis e Cofins. “Diante disso, é que entendemos que a MP foi muito boa para todos, para a agroindústria e sociedade em geral”, comentou Moka. “A carga tributária sobre esses produtos será bem menor”.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA EM CACHOEIRA
Mãe e filha morrem vítima de tromba d'gua em cachoeira; cunhado também morreu
ASSÉDIO À MENOR
Pastor é investigado após ser filmado beijando e oferecendo dinheiro a adolescente de 14 anos
UTRAPASSAGEM FATAL
Tio e sobrinho morrem "esmagados" por caminhão em rodovia
FATALIDADE
Bebê morre eletrocutado após morder fio de carregador de celular
AJUDA DO GPS
Após ficar 30h desaparecida, médica é encontrada em ribanceira com ajuda de GPS de celular
REVOLTANTE
A intérprete que descobriu na aula de Libras que pastor abusava de adolescente
BRASIL - 381.687 MORTES
Brasil passa de 380 mil mortes por Covid; mais de 3 mil delas foram registradas nas últimas 24 horas
BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19