Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 27 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Inflação em 2010 tem a maior alta em seis anos

7 Jan 2011 - 10h30Por Veja

inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou o ano de 2010 em alta de 5,91%, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta anual é a maior desde 2004, quando o índice ficou em 7,6%. O resultado do ano passado foi 1,6 ponto porcentual superior ao registrado em 2009. Os grandes vilões da inflação, segundo o IBGE, foram os alimentos, que registraram alta de 10,39% no período.

Para se ter uma ideia, apenas o feijão ficou 51,49% mais caro no ano passado. Segundo o IBGE, porém, o aumento mais sentido no bolso dos brasileiros foi o da carne, cujo quilo subiu 29,64%, em média - o alimento foi o que mais contribuiu para o IPCA do ano, com 0,64 ponto porcentual.

O índice engloba a variação de preços para famílias com rendimentos mensais de 1 a 40 salários mínimos, residentes nas principais áreas urbanas do país. O IPCA também é o índice oficial utilizado pelo Banco Central para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O centro da meta de inflação para 2010 era de 4,5%, com margem de tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo.

No mês de dezembro, houve desaceleração do IPCA. A inflação no mês passado ficou em 0,63%, ante 0,83% registrados em novembro.

Impacto – Além de afetar o poder de compra dos brasileiros, a inflação elevada cria sérios problemas para a economia do país. “Esse processo quebra os referenciais econômicos, pois acaba dissipando a noção de preços relativos. E isso é extremamente nocivo pro mercado e gera especulação”, afirma Otto Nogami, vice-coordenador dos Programas de MBA Executivo do Insper.

Diante de perspectivas pouco animadoras, a equipe econômica do governo Dilma já alertou o mercado que lutará incessantemente para combater a elevação dos preços. Uma primeira frente de batalha poderá ser propiciada pelo prometido ajuste fiscal, o que significa que o governo pode diminuir sua contribuição para a expansão da demanda total por produtos e serviços no país. “Não há como pedir para que a população que conseguiu pela primeira vez um emprego com carteira assinada pare de consumir”, afirma o professor da área de MBAs da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Robson Gonçalves.

A contração do crédito – estimulada, principalmente, pelo o aumento do compulsório dos bancos – é outra alternativa já sinalizada pelo governo para conter a alta dos preços. Entretanto, não pode (nem deve) ser a única. As próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que acontecerão em 18 e 19 de janeiro, já poderão trazer uma elevação da taxa básica de juros, conforme apostam alguns economistas.

Perspectiva - Para os próximos meses, a pressão dos alimentos na inflação tende a persistir, sobretudo porque a inflação destes produtos não se restringe ao país, pertencendo a um contexto global. Segundo Gonçalves, o cenário só não piora mais porque o câmbio brasileiro valorizado favorece. Diante desse cenário, a expectativa dos especialistas é que Dilma utilize seu período de ‘lua-de-mel’ com o Brasil para tomar medidas – talvez impopulares – que coloquem a economia nos eixos.

Leia Também

SOB INVESTIGAÇÃO
Amigos saem para pescar e encontram cadáver boiando em rio
DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio
ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina