Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Índios de Paranhos tentam queimar mulher viva

9 Out 2006 - 08h16

Índios da etnia guarani-kaiowá, residentes em uma aldeia no município de Paranhos, tentaram queimar viva uma indígena de 32 anos acusada de praticar magia negra no interior da reserva. Segundo as informações da Polícia, a tentativa de execução da vítima foi registrada há dois meses e só não se consumou porque o cacique da reserva e um professor, também indígena, interviram e conseguiram convencer a população a deixar a mulher viva.

Segundo informações do professor, cujo nome foi preservado por temer represálias da comunidade indígena a qual pertence, a mulher residia há tempos na aldeia onde ocorreu o fato e teria aprendido, de forma secreta, os rituais de magia negra com outra indígena originária do Paraguai que já estaria morta. Ele explicou que a história veio à tona por intermédio de um senhor já de idade, residente na aldeia.

O ancião teria adoecido e, em virtude da doença, apareceu uma ferida na cabeça, mais precisamente na região da testa, que insistia em não sarar, mesmo depois de várias visitas a médicos em Paranhos. Em determinado tempo, após vários meses sofrendo com a moléstia, o indígena teria passado a ter a presença da suposta feiticeira, em seus sonhos, o que levou a deduzir que ela seria responsável pelo “feitiço” que o atormentava.

Fogueira

A história espalhou-se rapidamente por entre a comunidade indígena que é formada por cerca de 80 famílias e a própria população da aldeia procurou a mulher para tirar satisfações. Pressionada pela multidão, a indígena, que é casada e tem filhos menores de idade, confirmou que realmente praticava magia negra, disse que aprendeu os rituais com uma índia de origem paraguaia que já estava morta.

Além disso, a suposta feiticeira teria confirmado também que havia feito um feitiço contra o ancião simplesmente para “testar” sua magia. De acordo com o professor, a indígena teria afirmado, também, que havia realizado um “trabalho” contra um outro indígena, o que teria provocado seu suicídio, o único suicídio de indígena registrado na aldeia no decorrer deste ano.

Para se vingar da suposta “bruxa”, os moradores da aldeia exigiram que a mulher retirasse o feitiço do velho índio e a amarraram em um tronco de madeira na região central da aldeia com o objetivo de queimá-la viva, como ocorria na Idade Média com as bruxas. Segundo o professor que presenciou o fato, os índios chegaram a colocar lenha em torno do tronco onde a mulher estava amarrada e já se preparavam para acender o fogo.

Negociação

Foi nesse momento que teve início o longo processo de negociação para fazer a comunidade desistir da idéia de queimar viva a suposta “bruxa”. Segundo o professor, após muita luta para tentar convencer os mais afoitos, as lideranças da reserva indígena conseguiram manter a mulher viva.

No entanto, como castigo, a tribo decidiu furar o nariz da indígena e atravessar uma barra de ferro com espessura de um fio de arame, onde foram amaradas diversas latas nas duas extremidades. De acordo com o professor, a mulher teria permanecido durante um mês nessas condições, amarrada e recebendo apenas comida e água.

Após trinta dias, os indígenas teriam arrancado o arame do nariz, cortado a ponta do dedo “minguinho” de uma das mãos e expulsado a mulher da reserva. Ela foi deixada às margens da MS-295, entre Tacuru e Iguatemi, e, desde então, não foi mais vista, sendo que os filhos dela foram tomados e, pela cultura da população, divididos entre outras famílias da reserva para serem criados.

 

 

Mídia Max

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro