Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Incra aprova criação de quilombo na Picadinha

9 Fev 2011 - 11h41Por Diário MS

Depois de uma análise completa do processo de demarcação de terras quilombolas no distrito da Picadinha, em Dourados, o Comitê de Decisão Regional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) aprovou o relatório técnico de identificação e delimitação da área de 3.538 hectares, reivindicada pelas famílias de descendentes de escravos.


Com isso, o próximo passo no processo deve ser a notificação dos produtores e da comunidade quilombola. Segundo o representante de Mato Grosso do Sul no processo de regularização fundiária dos territórios quilombolas no Estado, José Roberto Camargo de Souza, cada um dos produtores receberá uma notificação sobre o parecer aprovado e terá 30 dias para uma contestação para o órgão central em Brasília.


Souza explica ainda que, depois de passar por todas as fases e prazos, o processo deve ser analisado pelo presidente do Incra em Brasília, que emitirá uma portaria com o parecer sobre o território quilombola. Só então a documentação deve ser encaminhada à presidência da república para que seja emitido o decreto de desapropriação.


“Tudo é um processo muito longo. Podemos dizer que ainda estamos no meio do caminho, porque as decisões judiciais precisam ser respeitadas. É importante esclarecer também que não é apenas chegar e desapropriar as terras. Existe um estudo e durante todo o processo o direito de defesa é respeitado. Além disso, o processo é público e os advogados podem acessá-lo para saber sobre o andamento”, destaca o representante.


O processo de demarcação da Comunidade Quilombola Desidério Felipe de Oliveira, foi aberto em 2005. Em 2009, o relatório técnico foi concluído e publicado no Diário Oficial do Estado. Na época, as 56 famílias de produtores tiveram 90 dias para contestar o processo administrativo que apontava que os 3.538 hectares seriam destinados a 60 famílias descendentes de quilombos. As contestações foram analisadas, uma a uma, pela equipe técnica e jurídica do Incra e tudo foi encaminhado para o Comitê de Decisão Regional para análise completa.


As famílias remanescentes da região argumentam que as terras pertenceriam à fazenda Cabeceira de São Domingos, de propriedade do centenário Desidério Felipe de Oliveira e que, por isso, seria de direito dos seus descendentes.


Os produtores da região dizem que a desapropriação é uma injustiça com os agricultores que moram há meio século no distrito de Dourados. Eles afirmam que possuem registro no Cartório e direito de propriedade.


Segundo o MPF (Ministério Público Federal), o processo de identificação e demarcação de quilombos em Mato Grosso do Sul será executado com a “prévia e justa indenização da terra nua e das benfeitorias” aos atuais proprietários das áreas litigiosas. O pagamento prévio e em dinheiro está garantido pelo artigo 32 do Decreto-Lei 3365/41. A indenização da terra nua segue a tabela de preços feita por peritos do Incra, que é atualizada anualmente com valores da terra de cada microrregião de determinado Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço