Menu
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
domingo, 18 de abril de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Inadimplência de empresas tem queda de 16,6% no semestre

31 Jul 2004 - 09h25

O Indicador Serasa de Inadimplência apresentou queda de 16,6% da inadimplência de pessoa jurídica, de janeiro a junho de 2004, quando comparado com igual período de 2003.

O levantamento é baseado em registros de cheques devolvidos, títulos protestados, dívidas vencidas com instituições financeiras, empresas do varejo e cartões de crédito.

O estudo apontou ainda que houve queda da inadimplência de empresas nos três bimestres do ano. Segundo indicador, o maior decréscimo foi registrado no terceiro bimestre (maio e junho), de -21,2%.

O segundo bimestre (março e abril) fechou em queda 12,2% e o primeiro apresentou queda de 16,2%.

Segundo técnicos da Serasa, a diminuição da inadimplência de empresas em todo o país, no primeiro semestre do ano, é resultado do crescimento da economia brasileira, que vem propiciando maior geração de recursos para as empresas pagarem seus compromissos.

O maior nível de atividade econômica contribuiu também para o aumento das vendas das empresas, principalmente do setor industrial e agronegócios, que foram favorecidas pela expansão das exportações.

A realização de novos negócios, o melhor controle de estoques e a renegociação de preços e prazos com fornecedores permitiram às empresas administrar o orçamento de modo mais equilibrado.

Os técnicos ressaltam que o aumento da carga tributária por causa da mudança das regras de cálculo, as altas taxas de juros praticadas pelo mercado e o reajuste das tarifas públicas continuam sendo os maiores desafios enfrentados pelas empresas neste ano, pois dificultam o pagamento de dívidas assumidas anteriormente.

De acordo com a pesquisa, a maior representatividade na inadimplência de empresas de janeiro a junho de 2004 é de títulos protestados com a participação de 45%, inferior aos 49% registrado em igual período do ano anterior e 48% em 2002.

O segundo índice na representatividade é o de cheques sem fundos, que aumentou de 36% em 2003 para 39% do total neste ano. Em 2002, a participação dos cheques devolvidos era 37%.

Segundo o estudo, o valor médio das anotações negativas de cheques sem fundos (PJ) atingiu R$ 1.150 em junho. Já o de títulos protestados este ano registrou R$ 1.313. O valor médio dos registros no sistema financeiro foi R$ 2.760.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa credita 1ª parcela do Auxílio Emergencial nesta quinta para nascidos em maio
mulher carro beltrao 1 VIDEO
Mulher cai e fica ferida após ser flagrada em cima de carro em movimento
DESESPERADOR
Covid-19: Brasil registra 3.808 mortes em 24 horas
EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições