Menu
SADER_FULL
quarta, 3 de março de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
MORTANDADE

Imasul confirma decoada como causa mais provável da mortandade de peixes em MS

8 Fev 2011 - 07h02Por Midia Max

A causa mais provável da mortandade de peixes na bacia do rio Negro, no município de Aquidauana, é o fenômeno natural da decoada. A informação foi repassada por técnicos do Instituto de Meio Ambiente (Imasul), órgão estadual de gestão das políticas ambientais.

O relatório preliminar baseou-se em análises de amostras retiradas do leito de duas baías adjacentes ao rio, na tarde de 31 de janeiro. Os pesquisadores atribuíram a mortalidade de peixes a dois fatores principais: concentração de oxigênio dissolvido na água em taxas de 0,2 a 2,6 mgO²/L (sendo que valores inferiores a 2 podem provocar morte de peixes); além da temperatura elevada.

A equipe que visitou as fazendas da região constatou a versão dos ribeirinhos de que a mortandade começou em duas baías distantes 5 quilômetros uma da outra, e não na calha do rio como chegou a ser suspeitado. A água desses reservatórios escoou em direção ao rio e carregou os animais mortos. Técnicos estimaram em 900 mil quilos de matéria orgânica depositada no local.

De acordo com o diretor de desenvolvimento, Roberto Gonçalves, o fenômeno da decoada é natural na bacia pantaneira e costuma ocorrer com maior frequência no mês de janeiro.

"Os resultados técnicos reforçam a tese de que tenha acontecido a decoada, mas só teremos certeza na semana que vem, quando o laboratório em São Paulo irá concluir a análise das amostras em busca de defensivos agrícolas. Mas a chance de que os componentes químicos tenham contribuído para a mortandade de peixes é remota", esclareceu. O laudo será emitido na próxima semana.

O pesquisador Vander Melchiades Fabrício de Jesus, que integrou a equipe de vistoria ao local, disse que tanto os animais como as famílias de ribeirinhos puderam consumir os peixes, sem que casos de intoxicação fossem notificados. À época, foi possível constatar a mortandade das seguintes espécies: pintado, cachara, piranha, armal, jurupoca, pacu, piau, piraputanga, mandi e barbado.

Entre os dias 1º e 3 de fevereiro, outra equipe foi ao local e constatou que a vida já tinha retomado à relativa normalidade, sendo que os alevinos (formas jovens de peixes) puderam ser encontrados sem dificuldade. Apesar de a decoada ser um processo natural, os pesquisadores concluíram que o episódio ainda não tinha sido visto naquela magnitude no rio Negro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
RIGOR DA LEI
Cidade vai multar em até R$ 60 mil quem descumprir decreto de combate ao Covid-19
PANDEMIA 100 FIM
Brasil tem 30.484 mortes por Covid-19 em fevereiro, 2º maior número em toda a pandemia
charge_gasolina 100 TRÉGUA
Facada: Petrobras anuncia novo aumento nos preços da gasolina e diesel
CARCERE PRIVADO
Homem é preso por cárcere privado e violência doméstica após mulher pedir socorro com foto nas redes
NOVO AUXILIO
Presidente afirma Auxílio emergencial deve voltar em março, com parcelas de R$ 250
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas
MUNDO DO CRIME
Após morrer de Covid-19 no mesmo dia, casal tem oficina invadida e furtada
TRISTEZA NA FAMILIA
Pai e filho morrem de Covid-19 com poucas horas de diferença